Dois ofícios (presbíteros/bispos e diáconos) e duas ordens de presbíteros (presbíteros pregadores/docentes e presbíteros regentes): um estudo no Novo Testamento

por George W Knight, III[1]

 

Jesus Cristo é Senhor e Cabeça da igreja, que é o seu corpo. Ele governa a igreja por sua Palavra e Espírito. Através da obra do Espírito, ele concede aos homens da igreja que sejam oficiais para equipar os crentes para o serviço, para que a igreja sirva mais fielmente a Cristo na maturidade e no amor (Ef 4:11ss). Através da sua Palavra, a Bíblia, ele especifica as qualificações e deveres desses homens, para que seu povo reconheça, eleja e nomeie esses homens e reconheça o domínio de Cristo em e através deles (1 Tm 3, Tt 1). Desta forma, a Palavra de Deus, as Escrituras, fornece a descrição dos ofícios (ou oficiais) que Cristo dá à sua igreja e ela serve como o único guia infalível para que a igreja reconheça esses ofícios e aqueles que neles servem.

A Escritura não só estabelece as qualificações de tais servos, mas também lhes dá títulos descritivos ou designações e indica as funções que devem cumprir na igreja. Ao designar esses ofícios por títulos específicos ou designações, e também por funções diferenciadas, a Escritura fornece à igreja a resposta à questão: quais ofícios Cristo continua a dar à igreja e quantos existem?

A resposta a esta questão variou na história da Igreja cristã e também mais particularmente na manifestação da igreja chamada presbiteriana. Nesta última, as respostas tendem a gravitar em uma das duas conclusões: (1) uma visão de tríplice ofício, isto é, clérigos distintos dos leigos, oficiais leigos governantes e os diáconos (oficiais leigos do serviço); e (2) uma visão de dois ofícios, isto é, presbíteros (ensino e governo, clérigos e leigos) e diáconos (oficiais leigos). Os defensores de cada visão são vigorosos em sua defesa, resultando nas polarizações extremas. Por um lado, alguns defensores do tríplice ofício declaram que as referências a presbíteros ou bispos no Novo Testamento aplicam-se apenas aos ministros e não aos “presbíteros regentes”, que são encontrados apenas na referência a “ajuda” e/ou “administrações” (ou “governos”) em 1 Co 12:28, e que sua responsabilidade se limita a decisão ou administração e não inclui nenhuma forma de ensino. Por outro lado, alguns defensores de dois ofícios declararam que não há distinção no ofício do presbítero, como é comumente designado pelo presbítero docente e presbítero regente, ou pelo ministro e presbítero regente.

Não é difícil de encontrar a base dessas duas respostas nas páginas do Novo Testamento. É que o Novo Testamento usa dois títulos apenas para descrever ou designar os oficiais (veja Fp 1:1; 1 Tm 3:1, 2, 8 e 12) e também descreve esses oficiais usando três funções, isto é, ensinando, governando e servindo (1 Tm 3:2 [ensino], 5 [governo ou cuidado] e 13 [serviço]). O resultado disso é que o presbítero é referido não como tendo uma função, mas duas, a saber, ensinar e governar. Os defensores de dois ofícios enfatizam o fato de que os ofícios podem ser designados apenas por dois títulos, presbíteros (ou bispos) e diáconos. Os defensores de três ofícios enfatizam o fato de que as funções são tríplices e que os ofícios devem corresponder a esse fato, a saber, mestres (ministros), regentes (presbíteros) e aqueles que servem (diáconos).

É a tese deste estudo, tentando comparar a Escritura com a Escritura e harmonizar todas as verdades da Escritura, que a solução para o aparente dilema ou impasse, seja encontrada em um reconhecimento mútuo e complementar dos fatos de que existem dois títulos ou designações, presbíteros (ou bispos) e diáconos, mas também que no ofício dos presbíteros existem duas funções e que uma dessas funções, o ensino, pode ser dada de forma acentuada ou como um dom especial para alguns, mas não a todos os presbíteros. Portanto, uma distinção pode ser feita dentro do ofício de presbítero designando a alguns como mestres (ou ministros) como faz o Novo Testamento. Isso é especialmente notado em Ef 4:11, onde dentro do círculo maior de presbíteros, dentre todos os que são pastores auxliares ou pastores, alguns são designados como docentes. O presente estudo procura desdobrar as verdades bíblicas e demonstrar que a tese proposta é, de fato, a verdade das Escrituras. A primeira parte do estudo irá desdobrar os dois ofícios na Escritura, isto é, presbíteros (ou bispos) e diáconos, e enfatizar que o termo “presbíteros” (ou “bispos”) é usado no plural e abrange todos os governadores ou regentes da igreja. A segunda metade do estudo dedicará atenção para a distinção dentro do ofício de presbítero e indicará que há alguns que se afadigam na Palavra e no ensino. Antes de se concentrar nesses dois aspectos, um parágrafo preliminar distinguirá os ofícios contínuos daqueles ofícios extraordinários e descontínuos dos apóstolos e profetas.

A resposta à questão que naturalmente perguntamos “que ofícios Cristo continua a dar à sua igreja e quantos ainda existem?”, deve reconhecer que Cristo não concede continuamente à igreja os ofícios especiais e extraordinários de apóstolos e profetas. Os apóstolos de Jesus Cristo foram escolhidos pessoal e diretamente por ele (Mc 3:14; Lc 6:13; Gl 1:1), foram testemunhas oculares de sua ressurreição (At 1:22; 1 Co 15: 8-10); e com os profetas foram recebedores especiais da revelação (Ef 3:5) e assim formaram o fundamento irrepetível da igreja (Ef 2:20). Esses dois ofícios realizaram as suas funções e tarefas únicas e irrepetíveis, que ocorreram apenas durante os dias de fundação da igreja, a era do Novo Testamento, e agora não se encontram na superestrutura crescente e contínua da igreja.

 

1. Dois ofícios (Presbíteros/Bispos e Diáconos)

Quando nos movemos para além dos apóstolos e dos profetas, achamos que os ofícios que Cristo continua a dar à sua igreja, às vezes, são referidos sem um nome ou título específico, mas simplesmente por suas funções e atividades (cf. Hb 13:7 e 17; 1 Ts 5:12-13), e, às vezes, por palavras diferentes (presbíteros, pastores e mestres e bispos [ou superintendentes]). Mas, no meio deste uso variado, encontramos dois termos (presbíteros ou bispos) usados em todo o Novo Testamento, tanto em Atos (11:30; 14:23; 15: 2, 4, 6, 22, 23; 16: 4, 20:17, 28) como por Paulo (Fp 1:1; 1 Tm 3:1-2; 5:17; Tt 1:5, 7), Pedro (1 Pe 5:1) e Tiago (5: 14), que servem para supervisionar e incluir os outros termos e as descrições das funções relacionadas à supervisão. Em duas ocasiões encontramos o termo diáconos usado ao lado desse uso generalizado de presbíteros/bispos (Fp 1:1; 1 Tm 3:12). Assim, encontramos três termos usados num sentido mais ou menos técnico para descrever os ofícios. Eles são presbíteros (presbyteroi), bispos (episkopoi) e diáconos (diakonoi). Os dois primeiros se referem ao mesmo grupo de homens e, portanto, são palavras diferentes para o mesmo ofício. Podemos, portanto, falar do Novo Testamento como se referindo aos presbíteros ou bispos, por um lado, e diáconos, por outro, e desse modo, agrupar os ofícios nessas duas categorias ou funções.

Que as duas palavras “presbíteros” e “bispos” referem-se ao mesmo ofício se evidencia nas seguintes passagens (At 20:17 e 28; Tt 1:5 e 7; e uma comparação de 1 Tm 3:1ss e 1 Tm 5:17). Em At 20:17, os presbíteros são chamados de Éfeso para se encontrarem com Paulo. Em At 20:28 ele designa o mesmo grupo de presbíteros como bispos ou supervisores (episkopoi). Paulo ordena a Tito que nomeie presbíteros em cada cidade (Tt 1:5) e depois descreve esses mesmos oficiais pelo termo bispos ou supervisores (Tt 1:7). Em 1 Tm 3:2, Paulo usa o termo “bispo” para falar do ofício daqueles que ensinam e governam a igreja (1 Tim 3: 2 e 5), mas quando retorna à questão da remuneração para aqueles que governam e também passam o tempo integral na ocupação de ensinar a igreja, ele os chama anciãos ou presbíteros (1 Tm 5:17). À luz desta evidência, vemos que com esses dois termos, presbíteros e bispos, temos duas palavras para designar um e o mesmo grupo de ofícios na igreja. O único termo, ancião ou presbítero, reflete particularmente o contexto e o uso do Antigo Testamento, designando-os em referência à sua maturidade e autoridade. O outro termo, bispo ou superintendente, mais comum ao mundo de língua grega, designa-os em termos de sua responsabilidade particular de ter a supervisão e cuidado da igreja.

Estes dois termos, presbíteros e bispos, servem como os termos que abrangem as outras designações encontradas no Novo Testamento para as mesmas atividades ou funções. Isto é mais evidente em 1 Pe 5:1, onde até mesmo o apóstolo Pedro está disposto a falar de si mesmo como um presbítero em vista do fato dele compartilhar com os presbíteros a responsabilidade pela supervisão do povo de Deus. E esta verdade é especificamente aparente em At 15 quando a decisão é proferida pelos apóstolos e presbíteros agindo juntos e compartilhando a supervisão (15:2, 4, 6, 22, 23; 16:4). Do mesmo modo, a ordenação, ou a imposição das mãos, é proferida pelo presbitério (1 Tm 4:14, isto é, os presbíteros considerados como um grupo), e isso inclui o apóstolo Paulo (2 Tm 1:6), além disso, em At 13:1-3, os homens que impõem as mãos são especificamente designados como profetas e mestres.

Os oficiais da igreja em Éfeso são referidos como presbíteros ou bispos em At 20:17, 28 e 1 Tm 3:1 e 5:17, e como evangelistas, pastores e mestres em Ef 4:11. Ambos, por causa do que vimos nas declarações precedentes, isto é, os apóstolos são presbíteros, e os profetas e os mestres realizam a ação do presbitério da imposição das mãos, e por isso Atos, 1 Timóteo e Efésios se referindo à mesma igreja e aos mesmos oficiais, podemos inferir, adequadamente, como uma boa e necessária consequência de que evangelistas, pastores e professores são presbíteros. Certamente, a passagem de Efésios os considera líderes que equipam a igreja, uma tarefa reconhecida em outro lugar como a responsabilidade particular dos presbíteros (cf. entre outros, At 20:28; 1 Tm 3:4, 5 e 5:17).

Observamos que, para o Novo Testamento, os termos “presbíteros” e “bispos” servem como uma designação abrangente de um grupo particular de homens ou de um ofício e que outro termo (diakonos) tornou-se de uso técnico para aqueles que especificamente possuem a tarefa de serviço na igreja, isto é, os diáconos, ficamos impressionados com o fato de que o Novo Testamento se refere aos ofícios na igreja sob apenas essas duas lideranças ou dois ofícios (Fp 1:1; 1 Tm 3:1, 2 e 12, cf. At 6:1-6). Quando o apóstolo Paulo deseja dirigir-se aos oficiais da igreja de Filipos, ele faz isso usando dois termos e se dirige a dois grupos de oficiais: “bispos (superintendentes) e diáconos” (Fp 1:1). Em sua carta, especialmente escrita para a organizar a vida e o governo da igreja, ou seja, 1 Tm (veja 1 Tm 3:13), uma carta escrita próximo do fim de sua vida, quando o governo da igreja está evidentemente definido e fixado, o apóstolo fala novamente de apenas dois grupos sob estas duas palavras, bispos e diáconos (1 Tm 3:1 e 2 e 12). Da mesma forma, quando as divisões de trabalho e de funções foram realizadas na igreja primitiva de Jerusalém em At 6:1-6, encontramos a mesma dupla divisão. Os apóstolos (presbíteros) continuam nas funções de supervisão do governo e do ensino (At 6: 2 e 4), enquanto os sete recebem a função de serviço (diakonein) nas tabelas (Atos 6:2 e 3). Em resumo, vemos o Novo Testamento falando de dois ofícios, bispos (ou presbíteros) e diáconos (Fp 1:1; 1 Tm 3:1 e 2 e 12), e a igreja de Jesus Cristo hoje deve seguir essa norma autorizada e padronizada.

Quando questionamos a distinção entre esses dois ofícios, achamos que os termos usados em si mesmos servem para descrever essa diferença. Os presbíteros/bispos (superintendentes) são aqueles que têm o controle espiritual (veja 1 Pe 5:2, episkopountes), que é especificamente dito ser regente e docente (1 Tm 3:2 e 5; 5:17; Tt 1:9ss). Essa governo e ensino não são especificados para os diáconos (diakonoi) em 1 Tm 3 em uma lista que, de outras maneiras, é quase paralela à dos bispos, mas essas duas funções são claramente omitidas (veja 1 Tm 3:8ss). Deduzimos de Atos 6:1-6 que os diáconos devem continuar a prática desses primeiros diáconos, os sete, que cuidavam dos pobres e necessitados e que realizavam outros ministérios de serviço para a igreja sob a supervisão dos presbíteros (cf At 11:30). Quando uma congregação é formada pela primeira vez, os diáconos podem ser omitidos dos oficiais eleitos e suas funções serão realizadas pelos presbíteros até que esse trabalho seja muito pesado, e outros homens sejam escolhidos para tais serviços diaconais (At 14:23; Tt 1:5ss, cf. At 6:1-6).

A perspectiva do Novo Testamento de que existem apenas dois ofícios permanentes e ordinários que continuam na igreja, presbíteros/bispos e diáconos, é confirmado não só pelo fato de que esses dois termos são usados para designar todos os ofícios permanentes no igreja do Novo Testamento e, portanto, colocá-los em apenas dois ofícios, mas também por uma consciência do fato de que os presbíteros/bispos são sempre considerados como um grupo de homens que compartilham essas duas responsabilidades envolvidas na supervisão, ou seja, ensinar e governar. As alusões a uma pluralidade de presbíteros em todas as igrejas impedem essas referências de atribuir somente àqueles a quem chamamos de ministros ou pregadores hoje, e claramente incluímos aqueles a quem chamamos de presbíteros regentes, além dos docentes. A evidência para esta afirmação será apresentada nos parágrafos seguintes.

As primeiras igrejas estabelecidas por Paulo em sua primeira jornada missionária, pequenas e perseguidas como elas foram, cada uma possuía uma pluralidade de presbíteros designados para elas (At 14:23, “nomeando presbíteros para elas em todas as igrejas”). Os presbíteros (plural) são chamados de Éfeso para Mileto, e todos eles são denominados de superintendentes (episkopoi) e têm a tarefa de pastorear (poimainein, At 20:28) a igreja de Deus, bem como de defendê-la (At 20:30, 31). Como a igreja em Éfeso, a igreja de Filipos tem uma pluralidade de presbíteros/bispos (Fp 1:1; 1 Tm 5:17). Como no caso de Éfeso, também as novas congregações na ilha de Creta deveriam ter uma pluralidade de presbíteros em todas as cidades (isto é, igreja, Tt 1:5, veja novamente At 14:23). E ainda, como os presbíteros em Éfeso, esses presbíteros têm a sua função de supervisão unificada definida nas duas tarefas de ensinar e governar (Tt 1:9-11 e 13). Tiago, de modo similar, fala de chamar um grupo de homens designados para ajudar uma necessidade particular numa congregação (Tg 5:14). Pedro também se refere aos presbíteros no plural (1 Pe 5:1; note também todas as referências plurais nos versículos 2-4) em cada uma das congregações endereçadas por sua carta (veja 1 Pe 1:1) e fala delas como pastoreio (poimanate) de um específico rebanho entre eles (1 Pe 5:2). Em 1 Ts 5 e em Hb 13, os oficiais não são mencionados pelas designações presbíteros ou bispos, mas são referidos em ambos os casos no plural como um grupo que tem a responsabilidade unificada e compartilhada de ensinar e governar (1 Ts 5:12, 13; Hb 13:7 e 17).

Em todas essas referências no plural aos presbíteros, há também uma ênfase no fato de que eles compartilham como grupo a responsabilidade unificada e dividida de ensinar e governar, de pastorear e exercer a supervisão. Então, essas duas verdades pertencem inseparavelmente unidas umas às outras. A supervisão ou pastoreio da igreja pertence a uma pluralidade de presbíteros, e à pluralidade de presbíteros pertence a responsabilidade de supervisão e pastoreio. Essa pluralidade de prebíteros abrange a todos os presbíteros conhecidos no Novo Testamento, que podem ser referidos como presbíteros docentes e regentes.

Assim, uma imagem uniforme surge do Novo Testamento. Desde os primeiros dias da igreja do Novo Testamento até a última carta escrita por Paulo (de At 11:30 e 14:23 a 1 Tm 3:1ss, 5:17 e Tt 1:9) e com um testemunho unificado dos diversos escritores (Lucas em Atos, Paulo, Pedro, Tiago e o escritor de Hebreus), há concordância de que existe um grupo de homens que têm a supervisão, geralmente, mas nem sempre, chamados de presbíteros ou bispos, e que essa supervisão inclui tanto a docência como o governo. Essa evidência é um testemunho esmagador do fato de que a supervisão da igreja está comprometida nas mãos de um grupo de homens chamados no Novo Testamento de presbíteros/bispos e que a sua tarefa ou função inclui ensinar e governar como uma responsabilidade unificada e compartilhada.

 

2. Duas Ordens de Presbíteros (Presbíteros da Pregação/Docentes e Presbíteros Regentes)

Esta clara evidência dos dois ofícios de presbíteros/bispos e diáconos deve ser unida à ênfase da função de alguns, ou seja, para o ensino, que 1 Tm 5:17 apresenta entre aqueles que servem no ofício de presbítero. Com esta passagem, voltamos para as duas funções encontradas no único ofício de presbítero, isto é, governando e ensinando, e ao fato de que, às vezes, como aqui, a função do ensino recebe especial ênfase.

Embora todos os presbíteros sejam capazes de ensinar (1 Tm 3:2) e, assim, instruir o povo de Deus e se comunicar com aqueles que se opõem ao ensino bíblico (Tt 1:9ss), o texto de 1 Tm 5:17 reconhece que entre os presbíteros, dentre os que são capazes de ensinar, há aqueles que são dotados por Deus com a habilidade de ensinar a Palavra, de modo que eles são chamados por Deus para dedicarem a sua vida a tal chamado, ou ocupação, e merecem ser remunerados por este chamado e ocupação. A relação entre o presbítero especialmente dotado para ensinar e todos os demais presbíteros que podem ensinar é análogo, mas não idêntico ao da elevada capacidade de todos os presbíteros em comparação com a de todos os crentes que são chamados ao ensino uns dos outros (Cl 3:16 e Ef 5:19). Essa capacidade de afadigar-se na Palavra e no ensino é descrita em 2 Tm 4:1-7 como o ministério especificamente designado pela frase “pregar a Palavra”. Os presbíteros especialmente dotados para ensinar e que se afadigam ou trabalham arduamente em seu ministério (1 Tm 5:17), como trabalhadores comuns, merecem seus salários por tal trabalho. Embora qualquer presbítero que dedica o seu tempo ao governo da igreja, de modo que torne este o seu chamado e ocupação, é digno não só do honroso respeito, mas também da “dupla honra” dos honorários ou dos salários, a quem designamos como presbítero docente ou mestre entre os presbíteros tendo especialmente em vista esta passagem, porque o texto diz “especialmente aqueles que trabalham arduamente na pregação e no ensino” (NASB) e porque essa responsabilidade exige serviço de tempo integral neste chamado e ocupação.[2]

Uma vez que é reconhecido que no ofício de presbítero existe uma função elevada ou especializada de ensinar e pregar a Palavra, a percepção foi fornecida para integrar outras passagens em nosso estudo, especialmente aquelas que se referem aos mestres. Embora todas as referências aos mestres nas letras do Novo Testamento não se refiram necessariamente a pessoas no ofício da igreja, veremos as que são mais úteis. Vimos mestres agindo como presbíteros em At 13:1-3, impondo as mãos sobre Paulo e Barnabé (1 Tm 4:14). Paulo em duas passagens distingue as funções que desempenhou como ministro de Jesus Cristo usando as palavras pregador, apóstolo e mestre (1 Tm 2:7; 2 Tm 1:11). Nessas passagens, ele não está descrevendo ofícios separados e distintos, mas sim distingue as funções de anunciar autoritariamente as boas novas (pregador ou arauto), de ser a testemunha e porta-voz de autoridade (apóstolo) e de instruir na verdade (mestre). Ao separar e distinguir as funções que desempenhou como ministro de Jesus Cristo, ele destacou cada aspecto de seu unificado ministério e chamado.

Da mesma forma, quando o apóstolo está considerando os múltiplos dons do Espírito Santo em 1 Co 12, ele distingue vários dons ou funções relacionadas aos ofícios da igreja que estão intercalados aos outros dons que não têm em vista um ofício na igreja (1 Co 12:28-31; veja vss. 4ss, especialmente vs. 7). Apóstolos e profetas estão numa extremidade do grupo e se referem a ofícios. As línguas estão no outro extremo do conjunto e são consideradas como um dom sem referência ao ofício.

Nesta lista que se move de um ofício formal, de um lado, a um exemplo de um dom não-oficial, no outro, encontramos dois dons mencionados que se relacionam com o ofício de presbítero, ou seja, “mestres” e “administrações” (kuberneiseis, “governos” KJV, 1 Co 12:28, NASB). A referência a “ajuda” (antileimpseis) provavelmente deve ser relacionada principalmente com os diáconos que vemos nos sete escolhidos de Atos 6, realizando tarefas úteis ao servir e cuidar de viúvas (Atos 6: 1-6). Aqui as duas funções de ensinar e governar agora são distinguidas e enfatizadas. E a distinção é dada ênfase ao se referir ao único dom como “mestres” e não como ensinando e numerando-o como terceiro, o que o colocaria somente após os apóstolos e profetas. Do outro dom, as “administrações” (NIV refere-se “as pessoas com dons de administração”), o léxico grego de Bauer-Arndt-Gingrich-Danker afirma que “o plural indica provas de capacidade de ocupar uma posição de liderança na igreja” (p. 456).

Essas observações não devem ser surpresa, porque esses fatos estão de acordo com 1 Tm 5:17. Neste texto percebemos que entre os presbíteros, todos os que devem governar, alguns deles “trabalham arduamente na pregação e no ensino” (NASB). Paulo em 1 Co reconhece a necessidade do dom de “administrações” ou “governos” para o governo e supervisão da igreja. Com este dom, ele identifica a alguns com a palavra “mestres” que também trabalham na Palavra e no ensino (novamente, 1 Tm 5:17). A palavra “mestres” não deve ser considerada como uma referência exclusiva que os separa daqueles que têm o dom das administrações, pois como vimos Paulo pode se referir a si mesmo como sendo não só um apóstolo, mas também um pregador e um mestre. Uma vez que pelo menos dois dos dons na lista em 1 Co 12:28-31 podem se referir a uma pessoa, não devemos deixar que o fato de que os dons de mestre e de administrações sendo distintos nos leve a pensá-los erroneamente como ofícios separados. A evidência do Novo Testamento considerou demonstrar a unidade do ofício de presbítero e o fato de que envolve ambas as funções, isto é, a de ensinar e de governar (veja novamente as passagens citadas nos parágrafos anteriores deste estudo). Por outro lado, devemos dar peso adequado ao fato de que essas funções podem ser distinguidas e enfatizadas tanto em 1 Tm 5:17, como em 1 Co 12:28-31, e, particularmente, a função de ensinar. Para fazer justiça a tal distinção e ênfase, podemos dizer como R.L. Dabney fez, que dentro de um ofício ou classe de presbíteros, estão envolvidas duas ordens, a de presbíteros da pregação ou docentes, e a dos presbíteros regentes. Ef 4:11 fornece, à princípio, informações adicionais sobre a correta correlação que essa distinção traz.

Ef 4:11 diz: “E deu alguns como apóstolos, alguns como profetas, alguns como evangelistas e outros como pastores e mestres” (NASB). Os dois primeiros grupos, apóstolos e profetas, são os ofícios de fundação extraordinários e irrepetíveis, como mostramos anteriormente. O termo “evangelistas” é usado apenas três vezes no Novo Testamento. Além de sua ocorrência, Filipe, que foi um dos sete de At 6, é designado evangelista (At 21:8), e Timóteo é convidado a fazer o trabalho de um evangelista (2 Tm 4:5). O termo “evangelista” em si fornece a melhor definição do trabalho ou da tarefa da pessoa em vista, a saber, que é aquele que proclama a boa nova, o evangelho. Esta é uma função que pode ser distinguida da dos pastores e dos mestres (Ef 4:11) e vista como um ministério especializado (cf. Filipe, At 21:8), mas ao mesmo tempo é também uma função que deveria marcar o ministério e a proclamação de todos aqueles que como Timóteo são chamados a pregar a Palavra (1 Tm 4:15). Tendo em vista o fato de que o dom de proclamar o evangelho e plantar igrejas é necessário na igreja até o final da era, este ministério é permanente e não se limita ao período apostólico. E porque os evangelistas em Ef 4:11 estão na lista desses escritos que se distinguem dos santos ou crentes em geral (Ef 4:12), devemos considerá-los como uma manifestação especializada desse ofício cuja tarefa é descrita em outro lugar em termos semelhantes aos usados aqui, o de edificar e equipar os santos, ou seja, o ofício de presbítero (Ef 4:11-12).

Resta-nos considerar a afirmação “e alguns como pastores e mestres” (tous de poimenas kai didaskalous). Somos ajudados tremendamente em nossa compreensão dos ofícios, mencionados nesta passagem, ao reconhecer que os pastores e mestres da igreja em Éfeso são citados em outros dois lugares no Novo Testamento, a saber, At 20:17-35 e 1 Tm 3:1-7 e 5:17. É esta perspectiva tripla que lança luz sobre os dois termos, pastores (poimenas) e mestres (didaskalous).

Consideremos a primeira palavra “pastores”. O termo grego significa literalmente “pastor” e é usado neste sentido literal no Novo Testamento dos pastores a quem o nascimento de Jesus é anunciado. Porque o povo de Deus é considerado figurativamente como ovelhas, por isso, aquele que cuida, nutre e exerce o controle sobre elas é chamado de pastor no sentido figurativo. Este uso figurado em referência aos líderes religiosos era evidente no Antigo Testamento (cf. Jr 2:8 [veja o texto hebraico] 15; Ez 34:2). O uso figurado em referência aos líderes religiosos nas letras do Novo Testamento é encontrado somente em Ef 4:11, Hb 13:20 e 1 Pe 2:25 referindo-se a Jesus, e os Evangelhos o usam figurativamente de Jesus. A solução para a questão de qual grupo está em vista no termo “pastores” deve ser encontrada reconhecendo que a responsabilidade do cuidado ou pastoreio é dada a todos os presbíteros/bispos em At 20:28: “Cuidem de si mesmos e de todo o rebanho (poimnio), entre os quais o Espírito Santo fez de vocês superintendentes para pastorear [para alimentar, KJV] (poimainein) a igreja de Deus que ele comprou com seu próprio sangue” (NASB). O verbo usado em At 20:28 para “cuidar” e “pastorear” (poimainein, também traduzido por “alimentar”) é a forma verbal do conceito e termo que estamos considerando em Ef 4:11, isto é, “pastores” (poimenas). A passagem de Atos indica pelo seu uso que todos os presbíteros/bispos têm uma responsabilidade de alimentar ou pastoral e podem ser pastores designados. Quando questionamos à passagem de Ef 4:11 quem são os pastores, podemos responder de At 20:28 e contextualizar que eles são os presbíteros/bispos. Esta resposta é confirmada também pela passagem em 1 Pe 5:1-4 que fala da tarefa dos presbíteros. Mais uma vez, a tarefa dos presbíteros em sua capacidade coletiva é descrita como cuidadores ou pastores: “pastoreiem (poimanate) o rebanho (poimnion) entre vós” (1 Pe 5:2 e o vs. 3 “o rebanho”). Assim, podemos deduzir da declaração do apóstolo Pedro, bem como do apóstolo Paulo no relato de Lucas em At que os pastores são iguais aos presbíteros/bispos. E, finalmente, esta visão é confirmada por outra referência aos presbíteros de Éfeso em 1 Tm 3:1-7 e 5:17. Para cuidar da igreja (1 Tm 3:5) e governar a igreja (1 Tm 5:17) é outra maneira de dizer cuidador ou pastor da igreja, e cuidar e governar a igreja é apresentado em 1 Tm 3:5 e 5:17 como a tarefa dos bispos/presbíteros como um todo. Podemos concluir que os pastores no entendimento de Ef 4:11 são todos os presbíteros/bispos.

Voltemos a nossa atenção para o termo “mestres” e a sua relação com pastores em Ef 4:11. Na construção gramatical de toda a declaração de Ef 4:11, cada uma das posições mencionadas tem o artigo definido “os” antes delas, com exceção do termo mestres. A lista seria lida numa tradução literal da seguinte forma: “E deu os apóstolos, os profetas, os evangelistas e os pastores e mestres”. O efeito de omitir o artigo definido “os” antes dos mestres é que agrupa pastores e mestres juntos numa classe ou categoria. (Nas gramáticas gregas, isso é chamado de regra de Granville Sharp). Em vez de ler “os pastores e os mestres”, a declaração diz “os pastores e mestres”. De fato, podemos dizer que o apóstolo considera os mestres como pertencentes à classe ou à mesma categoria de pastores. Mas, ao mesmo tempo, e especialmente à luz de 1 Co 12:28-31, os mestres são uma ordem especializada e enfatizada dentro dessa classe maior. E é exatamente assim que ele falou dos presbíteros em 1 Tm 5:17. 1 Tm 5:17 afirma que entre aquele grupo maior de presbíteros, todos que governam, há aqueles que se afadigam na Palavra e ensino. O que o apóstolo Paulo disse em 1 Tm 5:17 agora é declarado em Ef 4:11 pela expressão “pastores e mestres”. Todos os presbíteros são pastores. Entre os presbíteros, todos têm uma responsabilidade pastoral ou de cuidar, há alguns que se afadigam na Palavra e no ensino, que o Novo Testamento chama aqui os que ensinam, ou como aqueles que pregam, em outros textos. O mestre é, portanto, um pastor/presbítero da pregação ou ensino. Aqui novamente, usando os termos de Dabney, temos duas ordens dentro de uma classe ou ofício. A classe ou o ofício é o de pastor/presbítero/bispo. As duas ordens dentro dessa classe são pastores/presbíteros docentes por um lado, e pastores/presbíteros regentes, por outro. O artigo definitivo não repetido “o” une firmemente as duas ordens como uma classe ou ofício. A palavra “mestres” adicionada à de “pastores” indica um ministério especializado entre os pastores/presbíteros.

Por que então o termo “evangelista” estava separado do de pastores e mestres? Porque a atividade dos evangelistas, tão importante quanto era para a obra da igreja e do presbiterato, não é tão intrinsecamente uma parte do trabalho do presbiterato em referência ao seu papel como pastores do rebanho que deve ser dado como um aspecto do pastoreio como era o ensino. Ser um presbítero em referência ao rebanho é, por definição, ser um dos pastores do rebanho. E pastorear o rebanho implica que, necessariamente, alguns pelo menos, devem trabalhar na Palavra e ensinar como mestres. Mas pastorear o rebanho não envolve intrinsecamente os evangelistas. Evangelistas estão ganhando ovelhas perdidas, não cuidando de salvos que foram acolhidos. Então, o apóstolo colocou esse aspecto do ensino, evangelistas, em uma categoria separada e reconhece que alguns têm dons especiais para essa tarefa.

O Novo Testamento faz uma distinção dentro do ofício de presbíteros de alguns que se fadigam no ensino da Palavra (e de alguns que são evangelistas). A igreja ao longo dos tempos tem sido fiel ao Novo Testamento fazendo o mesmo. Quando investimos mais sobre os deveres e as responsabilidades daqueles entre os presbíteros que estão se afadigando na Palavra e no ensino, os presbíteros do ensino ou da pregação, não devemos apenas retornar as passagens sobre presbíteros e bispos em geral, mas também considerar as passagens referentes a Timóteo e a Paulo, que estavam envolvidos neste aspecto particular como companheiros no presbiterato que se afadigavam na Palavra e instruiam com a capacidade de ensinar ou de presbíteros docentes (1 Co 9; 2 Co 3, 4, 5; 1 Tm 4: 6-16; 6:11-16; 2 Tm 1:3-14; 2; 3:10-4:8).

Portanto, a igreja que procura ser fiel ao Novo Testamento manterá em perspectiva e equilíbrio a unidade do ofício de presbíteros/bispos, e também a função distintiva dada a alguns dos presbíteros por meio de um dom particular de ensino e uma atividade correspondente. Isso significará que todos os presbíteros governam juntos e são ao mesmo tempo responsáveis pelo ensino da igreja. Isso também significará que, daquela pluralidade, alguns serão mais dotados por Deus para ensinar do que os outros e, portanto, em distinção dos demais fará desse ministério sua vocação, enquanto os outros que possuem a mesma autoridade permanecerão em outras vocações enquanto compartilham a supervisão. A unidade e a paridade dentro do único ofício de presbítero ajuda a promover a submissão mútua um ao outro, o que, por sua vez, ajuda a preservar a humilde qualidade de servo no presbítero e, ao mesmo tempo, o único senhorio de Cristo. O reconhecimento das diferentes manifestações dos dons, especialmente no que diz respeito ao ensino, com o presbiterato unificado exalta a soberania do senhorio de Cristo, que conforme ele quer concede dons para o bem de sua igreja, e ajuda a garantir que o mais necessário dom de ensinar a Palavra de Cristo terá plena ênfase e livre exercício em sua igreja. Por meio da sua Palavra de instrução e a capacitação do seu Espírito, Cristo ordena e edifica o seu povo, a igreja, o corpo de Cristo.

 

Tradução por Rev. Ewerton B. Tokashiki

 

NOTAS:

[1] Este artigo também aparece num volume de ensaios dedicados à Orthodox Presbyterian Church no seu quinquagésimo aniversário, estando agendado para publicação em junho de 1986. O Dr. Knight é o presidente do Departamento do Novo Testamento de Covenant Theological Seminary. [O Dr. Knight atualmente é professor de Novo Testamento no Greenville Presbyterian Theological Seminary na South Caroline. Nota do tradutor].

[2] Se alguém traduz a palavra grega malista, que é comumente traduzida “especialmente” pela expressão “isto é” em 1 Tm 5:17, não alteraria a nossa compreensão da passagem, mas se tornaria mais focada. Com a tradução “especialmente” aqueles que trabalham arduamente na pregação e no ensino são o grupo particular entre os presbíteros que devem ser considerados dignos de dupla honra, mas não necessariamente o único grupo. Com a tradução “isto é”, o texto diz: “os presbíteros que governam sejam considerados dignos de dupla honra, isto é, aqueles que trabalham arduamente na pregação e no ensino”. Com a tradução “que são”, aqueles que trabalham arduamente na pregação e no ensino são explicitamente especificados para serem o grupo que deve ser considerado digno de dupla honra nesta passagem. A sugestão de “isto é” como o significado para malista nalgumas passagens, mas não todas, realizadas onde ocorre no Novo Testamento é bem evidenciada por T.C. Skeat no Journal of Theological Studies, nova série, XXX, 1979, pp. 173-177, mostrando que esse significado é encontrado em outras partes da literatura grega, e que é um significado legítimo, talvez preferível, para várias ocorrências no Novo Testamento (por exemplo, o grande significado disto seria em 1 Tm 4:10). A designação de alguns dos presbíteros como “aqueles que trabalham arduamente na pregação e no ensino” como um grupo distinto entre os presbíteros ainda permanece como os docentes da passagem sobre a compreensão de malista.

Comments