Os juramentos e votos lícitos ou legítimos

Por G.I. Williamson

 

  1. O Juramento, quando lícito, é uma parte do culto religioso em que o crente, em ocasiões próprias e com toda a solenidade, chama a Deus por testemunha do que assevera ou promete; pelo juramento ele invoca a Deus a fim de ser julgado por ele, segundo a verdade ou a falsidade do que jura.
  2. O único nome pelo qual se deve jurar é o Nome de Deus, Nome que se pronunciará com todo o santo temor e reverência; jurar, pois, falsa ou temerariamente por este glorioso e tremendo Nome, ou jurar por qualquer outra coisa é pecaminoso e abominável. Contudo, como em assuntos de gravidade e importância, o juramento é autorizado pela Palavra de Deus, tanto sob o Novo Testamento quanto sob o Antigo, o juramento, sendo exigido pela autoridade legal, deve ser prestado com referência a tais assuntos.
  3. Quem vai prestar um juramento deve considerar refletidamente a gravidade de ato tão solene, e nada afirmar senão do que esteja plenamente persuadido ser a verdade, obrigando-se tão-somente por aquilo que é justo e bom, e que tem como tal, e por aquilo que pode e está resolvido a cumprir. É, porém, pecado recusar prestar juramento concernente a qualquer coisa justa e boa, que seja exigido pela autoridade legal.
  4. O juramento deve ser prestado conforme o sentido comum e claro das palavras, sem equívoco ou reserva mental. Não pode obrigar a pecar; mas, sendo prestado com referência a qualquer coisa não pecaminosa, obriga ao cumprimento, mesmo com prejuízo de quem jura. Não deve ser violado, ainda que feito a hereges ou infiéis.

 

XXII. 1-4

Essas seções da Confissão nos ensinam sobre:

(1) a natureza do juramento legal,

(2) o único nome pelo qual é legal jurar,

(3) o acordo eo dever do juramento em situações apropriadas,

(4) o sentido em que o juramento deve ser interpretado, e

(5) a base dos juramentos e até que ponto eles são uma obrigação que deve ser cumprida.

Alguns duvidam que devemos jurar. Jesus disse: “Você também ouviu que seus antepassados ​​foram informados: “Não quebre seu juramento, mas mantenha suas promessas ao Senhor. “Mas eu digo-lhe: Não jure de modo algum, nem para o céu, porque é o trono de Deus; nem para a terra, porque é o escabelo de seus pés; nem para Jerusalém, porque é a cidade do grande rei. Não jure pela sua cabeça também, porque você não pode fazer nem um dos seus cabelos ficar preto ou branco. Quando você diz “sim”, que isso seja realmente “sim”; e quando disser “não”, que seja um “não”. Qualquer significado a mais, vem do maligno” (Mateus 5:33-37). É fácil ver como aqueles que se opõem a qualquer tipo de juramento podem se basear neste texto. No entanto, uma leitura cuidadosa deste texto à luz do contexto não suportará tal visão. Cristo não está destruindo a lei (5:17-18), mas está livrando-a de falsas interpretações. Uma dessas falsas interpretações dos judeus era que apenas alguns juramentos eram obrigatórios, dependendo do nome em que os homens jurassem. Cristo disse que, pelo contrário, tais distinções eram vaidosas e malignas, e que todos os juramentos eram obrigatórios. E além disso, ele disse que a palavra do homem deveria ser verdadeira e deve ser cumprida mesmo sem juramentos. Se os homens fossem sinceros e simplesmente falassem a verdade, eles não sentiriam a necessidade de jurar o tempo todo. Juramentos entraram em uso porque os homens são mentirosos. No entanto, é um grave erro pressuporm que uma mentira não seja má porque não se jurou. Ainda assim, os judeus passaram além disso, declarando que o perjúrio não estava errado, a menos que fosse jurado de uma certa maneira (Mt. 23: 16-22). Agora observe que Cristo não disse que tudo o que mais forte do que “sim, sim” é pecador; ele só disse que veio do mal, na medida em que fosse necessário pela falta de verdade prevalecente. Na plenitude do reino de Deus porvir, não haverá juramentos, porque todos falarão a verdade em toda a sua pureza (Ap 21:8, 27). Enquanto isso, no mundo pecaminoso em que vivemos atualmente, as mentiras ainda são tão comuns que é possível que certos momentos, especialmente, solenes exijam o juramento e que, em certas circunstâncias, é lícito jurar (Lc 1:73, Mt 26:63, At 2:30, Hb 3:11, 18, 4:3, 6:11-18). O próprio Jesus jura desta maneira. E muitas vezes, ele fez um prólogo usando uma expressão que funciona como um juramento. “Em verdade, em verdade, eu realmente lhes asseguro …”. Você pode notar que os juramentos que Cristo condena evitam o uso do nome de Deus. Estes foram considerados abusivos pelos judeus. É o que Cristo absolutamente condenou. Aquele que sustenta que não precisa falar a verdade, a menos que ele confirme a sua palavra com juramento de uma certa maneira, não pode ser admitido no reino, em que reina a verdade. No entanto, isto de modo algum contradiz o fato de que aqueles que são da verdade podem fazer juramentos solenes a Deus. “Teme ao Senhor seu Deus e sirva-o. Apegue-se a ele e jure somente pelo seu Nome” (Dt 10:20).

As ocasiões adequadas para se exigir juramentos são aquelas que envolvem interesses graves e legítimos, e no qual é exigido um apelo a Deus como testemunha para garantir a confiança e acabar com a contenda, e quando o juramento é imposto por uma autoridade competente sobre o seu assunto. No último caso, especialmente, jurar é um dever e a recusa em fazê-lo é um pecado.

O perjúrio é o ato pelo qual intencionalmente se jura falsamente. É um crime grave. A Bíblia o associa com juramentos para falsos deuses (Sl 24:4). O jurar com a intenção oculta de um duplo sentido, que é não óbvio aos outros, ou com certa reserva mental, por meio do qual a mente silenciosamente vocaliza a sua discordância com parte ou a totalidade do que é jurado, é um enorme pecado. E, apesar disso, este pecado é comum hoje, mesmo em igrejas que se conformam oficialmente com essa Confissão de Fé! Quando um pastor presbiteriano é ordenado e instalado, ele é obrigado a fazer certos juramentos. É necessário, neste juramento do ofício, que afirme que a Bíblia é a única regra infalível de fé e prática. Então é necessário jurar solenemente que ele pessoalmente recebe e adota a Confissão de Fé e Catecismos como documentos que concordam e se baseiam na Palavra de Deus e que ele aceita pessoalmente o sistema de doutrina que eles contêm. Fazer tal juramento do ofício e, ao mesmo tempo, não crer que a Bíblia é infalível ou não concordar com as doutrinas da Confissão de Fé (como, por exemplo, a concepção virginal de Cristo, e a sua ressurreição corporal, ou a doutrina da eleição) torna-o culpado de perjúrio. Não devemos nos surpreender com a baixa condição espiritual das igrejas, uma vez que se tornou um costume aceitável jurar falsamente, e isso da parte dos pastores de Israel.

Um juramento somente está de acordo com a Palavra de Deus se houver verdadeira sinceridade da parte de quem jura. Ele não deve “dizer nada além do que está totalmente seguro ser a verdade.” Mas, às vezes, acontece que um juramento induz a um dever que mais tarde torna-se ciente de que é contra a Palavra de Deus. Um exemplo disso seria quem solenemente, e no momento, sinceramente, jura educar seus filhos no sistema falso do catolicismo romano. Às vezes, é argumentado que tal juramento é obrigatório porque foi feito com sinceridade, pois, na época em que jurou achava que era correto fazê-lo (ou pelo menos, não era ruim) e tinha resolvido cumprir seu juramento. No entanto, um juramento aplica-se apenas se a promessa é boa e justa, isto é, de acordo com a Palavra de Deus. A razão para isso é evidente: o que é contrário à Palavra de Deus é pecado, e é dever do homem não pecar; portanto, jurar que alguém vai pecar não pode obrigar ao pecado, ou justificar o pecado. Então, se descobrir que prometeu pecar, sob juramento solene, o seu único recurso é pedir perdão por ter feito tal promessa desde o início e renunciar o juramento (Mt 14:2-12). Foi errado, desde o início, jurar assim. Seria um duplo mal cumprí-lo depois de descobrir que é pecaminoso. No entanto, devemos ter cuidado para não confundir o que há de errado com o que é meramente doloroso. “Em tudo o que não é pecado” o cumprimento de um juramento “é obrigatório, mesmo que seja em prejuízo próprio.” Deus honra o homem “… que cumpre o prometido, mesmo que seja prejudicado …” (Sl 15:4). É imperativo que os cristãos considerem cuidadosamente o significado de um ato tão solene, com a certeza de que eles não juram fazer algo além de suas habilidades e da sua resolução. Mesmo assim, ao descobrir que isso implicará muito maior dificuldade e angústia do que originalmente havia previsto, não pode negar o que não é contrário à Palavra de Deus, sem ser culpado de pecado (Ez 17:19 e Js 9:19).

 

PERGUNTAS PARA O ESTUDO

1 Qual é a interpretação que, às vezes, é dada a Mateus 5: 3 3 – 3 7?

2. Qual é a interpretação correta desta passagem?

3. Jesus disse que todos os juramentos eram errados? Se não foi o que ele disse, ou o que ele declarou exatamente?

4. Qual foi o erro comum dos judeus em relação aos juramentos?

5. Que evidências poderiam ser dadas para provar que os juramentos são legítimos?

6. O que é perjúrio?

7. Que doutrinas um pastor presbiteriano jura manter e defender? (Dê alguns exemplos.)

8. De que os pastores presbiterianos são culpados quando eles não creem nas doutrinas contidas na Confissão de Fé?

9. Alguém deve cumprir o seu juramento se descobrir posteriormente que o que jurou é contra a Palavra de Deus? Por que?

10. Alguém deve cumprir o seu juramento se ele descobre mais tarde que isso lhe será inconveniente?

 

5. O voto é da mesma natureza que o juramento promissório; deve ser feito com o mesmo cuidado religioso e cumprido com igual fidelidade. 6. O voto não deve ser feito a criatura alguma, mas só a Deus; para que seja aceitável, deve ser feito voluntariamente, com fé e consciência de dever, em reconhecimento de misericórdias recebidas ou para obter o que desejamos. Pelo voto obrigamo-nos mais restritamente aos deveres necessários ou a outras coisas, até onde ou quando elas conduzirem a esses deveres. 7. Ninguém deve prometer fazer coisa alguma que seja proibida na Palavra de Deus, ou que impeça o cumprimento de qualquer dever nela ordenado, nem o que não está em seu poder cumprir e para cuja execução não tenha promessa ou poder de Deus; por isso, os votos monásticos, que os papistas fazem do celibato perpétuo, pobreza voluntária e obediência regular, em vez de serem graus de maior perfeição, não passam de laços supersticiosos e iníquos com os quais nenhum cristão deve embaraçar-se.

 

XXII. 5-7

Essas seções da Confissão nos ensinam:

(1) que um voto é semelhante a um juramento,

(2) que um voto é realizado somente diante de Deus,

(3) que deve ser feito voluntariamente, na fé, consciente do que é devido, como motivo de gratidão por alguma misericórdia recebida, ou por ter recebido algo desejado,

(4) que nos obriga ao dever,

(5) isto é, deve ser tomado somente de acordo com os princípios da Palavra de Deus, e

(6) que os votos católicos romanos de celibato, pobreza e o dever da sua obediência são contrários à Palavra de Deus.

Um juramento estabelece o dever do homem com o homem. Um voto trata do dever do homem para com Deus. No juramento, o homem pede que Deus seja testemunha e julgue o que ele diz ou promete ao homem. Num voto, o homem faz uma promessa solene para Deus. Em ambos os casos, nós os faremos e os cumpriremos por reverência e obrigação à Deus. E há sanções bíblicas para os votos, bem como para os juramentos. “Como posso pagar ao Senhor por tanta bondade que ele me mostrou?”, pergunta o salmista. “Tão somente brindando com o cálice da salvação e invocando o nome do Senhor! Apenas cumprindo as minhas promessas ao Senhor na presença de todo o seu povo!” (Sl 116:12-14). Como no caso dos juramentos, é preciso ter muito cuidado ao fazer os votos. “Quando você vai à casa de Deus, observe seus passos e venha ouvir em vez de oferecer sacrifícios de tolos, que nem têm consciência do que eles fazem o que é errado. Não se apresse, nem com a sua boca, nem com a sua mente para pronunciar uma palavra perante Deus; Ele está no céu e você está na terra. Meça, então, suas palavras … quem fala muito, diz bobagem. Quando você fizer um voto a Deus, não demore em cumpri-lo, porque Deus não se agrada de tolos. Cumpra os seus votos: é melhor não fazer votos do que fazê-los e não cumprir” (Ec 5:1-5).

O homem que nunca faz um voto prospera mais do que aquele que não cumpre o voto que ele fez. No entanto, isso não significa que seja melhor para o homem nunca fazer votos. Muitos, talvez a maioria, dos votos ou promessas que os homens fazem à Deus nunca são cumpridos e, portanto, seria melhor não tê-los feito. Mas todo verdadeiro crente deve fazer e cumprir pelo menos um voto, isto é, receber a Jesus Cristo do modo como é oferecido graciosamente no evangelho e caminhar com ele numa nova vida. Então, pelo menos neste caso, a Bíblia diz: “Faça um voto ao Senhor, seu Deus, e o guarde …” (Sl 76:11). Então, vemos que é perfeitamente consistente com as Escrituras exigir que os homens confessem publicamente a Cristo e façam votos de fé e obediência (Mt 10:32).

Os votos de membros são feitos na presença dos homens, mas são dirigidos ao Senhor. Na maioria das igrejas reformadas, esses votos são essencialmente da seguinte maneira: 1. que o voto de crer, aceitar permanentemente e obedecer a Bíblia como a única regra infalível de fé e prática,2. que fazer o voto ou a promessa de se considerar pecaminoso e corrupto, e renunciar a si mesmo para receber a salvação que é exclusivamente em Cristo,3. que fazer o voto ou a promessa de reconhecer Jesus Cristo como seu próprio Rei e depender dele para andar numa nova vida; e4. fazer o voto ou prometer prestar atenção à disciplina lícita de Cristo administrada por sua Igreja de acordo com a Palavra de Deus. É verdade que um homem que faz tais votos, e que, posteriormente, não os cumpra, está em pior condição do que aquele que nunca votou. Mas também é verdade que nenhum homem que não faça ou cumpra esses votos prosperará.

Devemos ter cuidado para não fazer um voto que seja contra as Escrituras (At 23:12, Jz 11:30ss). Exemplos desse tipo de votos podem ser encontrados hoje no catolicismo romano, protestantismo liberal e até mesmo entre fundamentalistas. A Igreja Romana requer o voto de celibato de todos os seus sacerdotes. Mas Cristo disse que “nem todos podem compreender esse assunto” (Mt 19:11). E ele ensinou que tal estado deveria ser estritamente voluntário quando ele disse: “Quem pode aceitar isso, aceite-o” (v. 12). E, em qualquer caso, as Escrituras proíbem que qualquer tipo de homem, mesmo os oficiais da Igreja, estejam sob tal regulamento. “Mas, em vista de tanta imoralidade, todo homem deve ter sua própria esposa …”, diz o apóstolo (1 Co 7: 2). Se não se pode suportar o peso do celibato, a regra é: “… deixe-o casar …” (7:9). E é antes a regra e não a exceção de que “o bispo” é “… marido de uma esposa …” (1 Tm 3:2). E a “proibição do casamento” é chamada de “doutrina de demônios” pelo mesmo apóstolo que, aparentemente, foi voluntariamente célibe (1 Tm 4:1, 3). Um voto de pobreza obriga a renúncia de toda propriedade privada. Isso contradiz o ensino de Pedro (At 5:4). Um voto de obediência é uma violação direta do mandato específico de Deus que diz: “… não se tornem escravos de ninguém” (1 Co 7:23). “É necessário obedecer a Deus e não aos homens!” (At 5:29). Somente Deus é o Senhor do crente. É um pecado fazer um voto ou prometer qualquer coisa a Deus que não é exigido ou aprovado por Deus. Ainda assim, mesmo entre os protestantes, uma forma muito séria deste pecado tornou-se comum. Este é o costume de encorajar as pessoas, muitas vezes por influência psicológica emocional, no zelo do momento, assinar cartões de fé. O mais preocupante de tudo é que, muitas vezes, as vítimas são as crianças. E lhes fazemos vítimas, não importando com o que seja o voto – ainda que o voto seja em si inocente.

O motivo é que tanto um voto quanto um juramento só podem ser feitos se existir:

a) verdadeira consideração e conhecimento da importância de um ato tão solene,

b) uma persuasão de consciência de que tal voto é bíblico e,

c) uma convicção de que alguém é capaz e que resolveu cumprir o voto.

Quando uma criança assina um cartão de promessa de fé, ou faz um voto, é muito improvável que essas condições possam ser atendidas. É, portanto, um pecado, principalmente por parte de adultos que pecam e fazem as pecar, mas também é pecado por parte de crianças. “… tudo o que não é feito por convicção é pecado” (Ro 14:23). Isso não é o mesmo que dizer que as crianças não estão sujeitas aos votos do pacto de seus pais. Pelo contrário, cremos que os filhos dos crentes são filhos da aliança. Eles estão sujeitos aos mesmos votos que seus pais, em tudo o que Deus ordena. Um pai não pode colocar uma criança sob uma obrigação perpétua de absolutamente nada que não seja mandato de Deus (Mt 4:10). No entanto, isso é muito diferente de induzir crianças a fazer votos que ainda não conseguirão cumprir por si mesmas.

 

PERGUNTAS  PARA O ESTUDO

1 Qual a diferença entre um juramento e um voto?

2. Em que eles são semelhantes?

3. Prove biblicamente que os votos não são contrários à vontade de Deus.

4. Que voto é exigido do cristão? O que se promete neste voto?

5. Dê um exemplo de um voto não-bíblico que é comum no catolicismo romano.

6 Dê um exemplo de um voto não-bíblico que é comum no protestantismo.

7. Por que é errado induzir as crianças a fazer votos?

8. Em que circunstância as crianças estão sujeitas aos votos dos seus pais?

 

Extraído de G.I. Williamson, La Confesión de Fe de Westminster (Carlisle, El Estandarte de la Verdad, 2003), pp. 263-270.

Tradução Gaspar da Silva

Revisão Ewerton B. Tokashiki

Comments