A igreja em tempo de eleições políticas

Por Kevin DeYoung

 

Eu sempre me interessei por política. Estudei religião e ciência política na faculdade. E continuo a ler consistentemente em economia, sociologia, política e eventos atuais. Como pastor, espero que os membros da minha igreja estejam bem informados e engajados no processo político. Como cristãos, devemos levar a sério nossa responsabilidade de ser sal e luz num mundo que é frequentemente podre e escuro.

No entanto, acredito que os pastores devem ter muito cuidado com a forma como lideram suas igrejas em nossa cultura politicamente polarizada. Sei que existem bons irmãos e irmãs que podem discordar desses princípios e suas implicações práticas. Mas, no mínimo, os pastores devem discipular seus líderes e suas congregações ao pensar sobre esses assuntos com sabedoria e teologicamente.

Deixe-me mencionar duas coisas que faço e três coisas que não faço como pastor.

 

Como pastor, eu oro publicamente por líderes e por questões controversas. Somos ordenados a orar pelas autoridades governamentais, quer concordemos com elas, gostemos delas ou confiamos nelas, ou não (1Tm 2.1-2). Da mesma forma, acho apropriado incluir alguns eventos atuais na oração pastoral semanal. Ao longo dos últimos anos, incluí itens relacionados a Ferguson, Charlottesville, tiroteios policiais em Dallas, a eleição presidencial, casamento gay, Roe v. Wade, o aniversário do assassinato de MLK, e dezenas de eventos que poderiam ser interpretados como “políticos”. No entanto, confio que as orações não eram políticas no pior sentido da palavra. Eu me esforço para ter certeza de que tudo pelo que eu oro tenha amparo bíblico. Durante uma temporada eleitoral, os pastores devem orar para que Deus opere no processo político para nos dar líderes piedosos que são marcados pela habilidade, prudência, honestidade, coragem, humildade e compaixão.

 

Como pastor, falo de questões controversas, conforme elas surgem do texto das Escrituras. Ao pregar em Êxodo 21, falei sobre a história da escravidão e os males dela em nosso país. Mais adiante, no capítulo, falei sobre o mal do aborto. No capítulo 22, falei sobre a definição bíblica de justiça. Eu também falei sobre o entendimento bíblico do viajante e como cristãos devem amar o estrangeiro e o imigrante (e como isso não se traduz automaticamente em uma determinada política de imigração). Todos estes sermões tocaram em tópicos políticos. Eu não mencionei um candidato, um partido político ou defendo qualquer política ou legislação específica. Eu simplesmente falei sobre questões que estavam manifestamente no texto. Não podemos ensinar todo o conselho de Deus sem nos aventurarmos, de vez em quando, entrar em território difícil, que pode ser impopular em nosso contexto cultural.

 

Como pastor, não forneço guias eleitorais para a congregação. Eu sei que existem outros pastores que defendem a prática, mas na minha experiência, mesmo os guias eleitorais não-partidários nunca são completamente apartidários. Em 2016, vi um guia de eleitor não-apartidário do Conselho de Pesquisa da Família e outro da Sojourners. Ambos os guias foram projetados para informar os cristãos sobre as questões importantes que enfrentamos na eleição e como pensar sobre essas questões do ponto de vista cristão. Não surpreendentemente, os dois guias falaram sobre questões muito diferentes e apresentaram a visão cristã de maneiras muito diferentes. Apenas um republicano obstinado poderia pensar que o guia do FRC não era partidário. Apenas um democrata rígido podia pensar que o guia dos Sojourners era apartidário.

Admitido isso, reconhecemos que existem outros guias que são menos didáticos e mais informativos. Muitos guias não-partidários fazem uma série de perguntas aos candidatos e registram onde estão as questões-chave. Mas mesmo aqui, os guias que vi ao longo dos anos têm um ângulo definido. Se você tem apenas doze perguntas para fazer aos candidatos, o que você pergunta diz muito sobre as questões que você considera importantes, e a redação de cada pergunta, geralmente, reflete certas prioridades. Em suma, não acredito que os guias eleitorais não-partidários sejam realmente apartidários.

Há também a questão prática de como visitantes e “estrangeiros” tendem a ver esses guias. Para jovens maduros e minorias, a “importância” das guias eleitorais, geralmente, sinalizam “esta é uma igreja para os republicanos.” Podemos dizer que não é a intenção, e acredito que a maioria dos cristãos apaixonados por essas guias são motivados por um desejo sincero de informar as pessoas sobre as questões, mas o fato é que a maioria das igrejas evangélicas brancas já é esmagadoramente republicana. Não vamos dar aos visitantes mais motivos para pensar que essa é uma igreja, principalmente para os conservadores do Partido Republicano (ou vice-versa, se você é conhecido como uma igreja progressista).

Isso significa que alguns candidatos e algumas posições não são melhores que os outros? Claro que não. Eleições é algo realmente importante. Isso tudo significa que eu não me importo com aborto, casamento ou liberdade religiosa (ou reforma da imigração ou reforma da justiça criminal)? Não, eu escrevi sobre todas essas coisas. Eu oro sobre esses assuntos a partir do púlpito, quando apropriado, e eu falo sobre eles no púlpito quando eles aparecem na Bíblia. Eu quero que meu povo seja informado sobre política, assim como espero que eles estejam informados sobre muitas outras coisas. Mas eu não acredito que seja o chamado da igreja, como igreja, fornecer perfis de candidatos, especialmente quando os canais normais para fornecer essas informações nunca são inteiramente objetivos.

 

Como pastor, eu não encorajo as campanhas de registro de eleitores no saguão da igreja.[1] Eu acredito que votar é uma coisa boa. Quando me mudei de Michigan para Iowa para a minha primeira igreja, fiz questão de votar no primeiro turno de Agosto, no início da manhã, antes de dirigir 12 horas para minha nova casa. Eu acredito que os cristãos fariam bem em se informar e votar. E, no entanto, estou muito pressionado para encontrar autorização escriturística para pensar que os cristãos devem votar como uma questão de obediência a Cristo. Ao conduzir o registro de eleitores na igreja, estamos nos comunicando: “Isto é o que os cristãos devem fazer”. Votar geralmente é uma coisa boa, mas eu não tenho autoridade bíblica para dizer que um cristão deve votar (exercitaríamos a disciplina da igreja em alguém que não o fizesse?), nem penso que votar é uma expressão tão necessária do fruto do Espírito que é responsabilidade da igreja fazer com que as pessoas sejam registradas.

Os puritanos foram sábios em estabelecer o Princípio Regulador para o culto. A igreja não tem autoridade para ligar a consciência ou emitir ordens exceto por explícita garantia bíblica, ou quando deduzida por boa e necessária consequência. Grande parte da polarização política na igreja poderia ser muito ajudada se o Princípio Regulador fosse aplicado a questões culturais, bem como ao culto. O objetivo do Princípio Regulador não é fazer com que todos sejam tendenciosos teologicamente (embora isso também possa ser bom). O objetivo é proteger a liberdade cristã e preservar a unidade dos cristãos, os quais são, em última instância, a manutenção de um testemunho fiel do evangelho em nosso mundo.

Um último pensamento sobre o assunto. Tanto quanto eu espero que os cristãos de mentalidade bíblica votem, devemos ter cuidado para não equacionarmos “sal e luz” com vitórias políticas. O engajamento político é apenas uma maneira de amar o próximo e tentar ser uma presença fiel na cultura. Da mesma forma, não devemos supor que todas as boas causas devem entrar no orçamento da igreja, no boletim da igreja ou no lobby da igreja. Há milhares de maneiras pelas quais os cristãos individuais viverão suas vocações, usarão seus dons e exercerão suas paixões – e a grande maioria dessas maneiras não envolverá anúncios do púlpito ou de atividades patrocinadas pela igreja.

 

Como pastor, eu não dou projeção pública aos candidatos em nossa igreja (ou à candidatos que visitam nossa igreja), especialmente, durante uma temporada eleitoral. Mesmo com a melhor das intenções, a apresentação de um candidato injeta uma nota de política no culto. É claro que damos boas-vindas a todos os candidatos políticos que venham adorar conosco ou simplesmente para conhecer a nossa igreja, mas pedir (ou convidar) uma apresentação ou reconhecimento durante o culto de adoração, apropria-se indevidamente do propósito da reunião do Dia do Senhor. Eu não quero que haja alguma confusão sobre se a igreja está endossando um candidato, ao observar a sua presença conosco. Também não quero dar ao candidato a oportunidade de ser visto e reconhecido no culto público. Ele (ou ela) deve estar no culto para adorar, não para ser visto como alguém que adora. E se o objetivo é simplesmente atender aos constituintes, esse propósito pode ser melhor realizado em outro local, em outro momento.

 

Eu entendo que esses três “não” são práticas comuns em igrejas de muitas tradições diferentes. Igrejas republicanas, que apoiam ao Trump, fazem essas coisas. Igrejas democratas, que opõem-se ao Trump, fazem essas coisas. Mas por mais comuns que sejam essas coisas, não acredito que sejam sábias. Eles presumem para a igreja uma autoridade que ela não possui, e eles apresentam um obstáculo à comunhão que não precisa estar presente.

A realidade é que essas práticas são comuns em muitas igrejas, porque muitas delas são politicamente uniformes. Os guias de eleitores occorrem porque quase todos já concordam com eles. O candidato é reconhecido porque quase todos já votam nesse partido. A inscrição no eleitor acontece porque supomos que as pessoas em nossa igreja vão votar nas pessoas que votamos. Meu receio é que, juntas, essas medidas sejam mais eficazes para limitar o número de pessoas que se sentem à vontade em nossa igreja do que para aumentar o número de pessoas que votam “do modo certo”.

Para ter certeza, os cristãos podem se esforçar em educar e mobilizar seus compatriotas cidadãos americanos, mas a única finalidade, propósito e garantia da igreja é educar e mobilizar nossos concidadãos do céu. Não devemos confundir uma missão com a outra.

 

NOTA:

[1] Nos EUA o voto é voluntário. N. do tradutor.

 

Acessado em https://www.thegospelcoalition.org/blogs/kevin-deyoung/church-election-time/

Traduzido por Ewerton B. Tokashiki

 

Comments