5 mitos acerca da pregação

por Joel R. Beeke[1]

 

Cinco falsas dicotomias

Qual é o seu tipo de pregação – expositiva ou relevante? Esse é um exemplo de uma falsa dicotomia – uma falácia lógica. As falsas dicotomias operam sob a suposição de que não há alternativa, incluindo nenhuma maneira de combinar as qualidades envolvidas nos chamados opostos.

Um dos métodos de Satanás para enganar os pregadores é a falsa dicotomia. Ao definir duas ideias válidas uma contra a outra, quando na realidade elas se pertencem, o diabo pode usar o apelo de uma verdade para atacar a outra. Se engolirmos a isca, então o anzol e a linha do diabo nos afastam da pregação fiel e perdemos os dois lados da verdade. Aqui estão cinco mitos – falsas dicotomias – que podem capturar pregadores.

 

Mito 1: Os pregadores devem ser professores exegéticos ou motivadores da igreja.

O professor exegético é a versão pastoral de um comentário bíblico. O pregador está determinado a evitar o subjetivismo. O seu sermão será apenas a pura Palavra de Deus. Consequentemente, ele raramente fala do seu coração ao coração de seus ouvintes, e eles partem com a cabeça cheia e as almas vazias.

Ofendido pela aridez dessa abordagem, o pregador motivador da igreja procura não informar, mas transformar, convencendo as pessoas a adotarem certos cursos de ação ou programas. No entanto, embora ele possa amarrar as suas mensagens com citações da Bíblia, ele soa mais como um palestrante motivacional ou até mesmo uma líder de torcida do que um mensageiro de Deus.

O pregador fiel tira o melhor dos dois lados dessa dicotomia, pois ele se esforça – com a bênção do Espírito – para que as suas exposições da Escritura Sagrada sejam queimadas como combustível que inflama a igreja para um santo afeto e ação.

 

Mito 2: Os pregadores devem ser mentores espirituais ou instrutores doutrinários.

O mentor espiritual – uma figura paterna – dá conselhos específicos aos seus filhos no Senhor. A sua boca está cheia de sábios conselhos e instruções práticas, mas ele não se importa muito com doutrinas elevadas da fé, como a Trindade, a santidade de Deus, ou a obra expiatória de Cristo.

O instrutor doutrinário – sabendo quão racionais os cristãos podem ser se não souberem o que creem – explica completamente o sistema de fé cristã revelado nas Sagradas Escrituras. No entanto, ele diz pouco sobre a aplicação, deixando que o Espírito Santo aplique os princípios gerais da Palavra de Deus à vida de cada indivíduo.

Na realidade, devemos evitar os dois extremos, uma vez que “toda a Escritura. . . é proveitoso ensinar, repreender, corrigir e treinar na justiça” (2Tm 3.16). O fiel pregador deve ter os seus olhos em Cristo, conforme revelado nas doutrinas da Bíblia, e seus pés no chão para aplicar essa doutrina às necessidades e vida de seus ouvintes.

 

Mito 3: Os pregadores devem ser expositores verso a verso ou pregadores textuais.

Outra falsa dicotomia é estabelecida quando insistimos que a única maneira de expor as Escrituras é através da pregação de um livro da Bíblia, analisando um verso de cada vez. Infelizmente, o expositor versículo por versículo pode estar tão preso ao seu método que ele não se afastará dele para atender a uma necessidade urgente na vida da congregação.

O pregador textual está livre de tais grilhões, pois ele pode escolher qualquer texto que julgue melhor – desde que o seu sermão seja uma exposição das Escrituras. No entanto, ele pode ser tão livre ao ponto de não conseguir pregar todo o conselho de Deus de uma maneira biblicamente equilibrada, mas interfere em seus textos e temas favoritos.

Ambas as abordagens para sermões foram usadas efetivamente por pregadores fiéis no passado. É sábio pregar através dos livros da Bíblia e pregar textualmente como necessidades específicas de ensino, direção ética e conforto.

 

Mito 4: Os pregadores devem ser contadores de histórias ou oradores de púlpito.

O contador de histórias entende que grande parte da Bíblia é narrativa e que as pessoas se conectam com as histórias de uma maneira que lhe é muito comovente. A sua confiança na narrativa bíblica e nas ilustrações extrabíblicas afasta a sua pregação de declarações claras da verdade doutrinária.

O orador do púlpito constrói os seus sermões com uma introdução, 2–4 proposições ou pontos que são discutidos logicamente e uma conclusão. Ele prega melhor a partir de Romanos, mas não tem certeza do que fazer com Davi e Golias.

O fato é que a Bíblia nos veio numa variedade de gêneros e estilos literários, o que recomenda flexibilidade em nossos métodos de pregação. O contador de histórias precisa lembrar que conteúdo substancial, clareza lógica e aplicação prática são de vital importância para a narração eficaz de histórias; e o orador do púlpito deve ser criativo e imaginativo em sua apresentação da verdade doutrinária, se quiser fazer mais por seus ouvintes do que informar as suas mentes. Ao pregar numa narrativa, muitas vezes, é melhor recontar a história de uma maneira que atraia para ela os seus ouvintes e os ajude a ver as suas aplicações doutrinárias e práticas. Ilustrações mais curtas são úteis mesmo em sermões com um esboço mais exegético e teológico. No entanto, toda a pregação deve ter como objetivo comunicar a doutrina vital e pressionar aplicações específicas.

 

Mito 5: Os pregadores devem ser perfuradores incisivos ou atraentes positivos.

O perfurador incisivo pressiona a consciência, a culpa e o mal do pecado, juntamente com o terror do julgamento divino. Ele entende que os pecadores devem ver sua grande necessidade antes de receber o Salvador. No entanto, ele pode insistir tanto na convicção de pecado que a sua congregação permanece em cativeiro e medo – mesmo após a conversão.

O atraente positivo crê que glorifica a Deus sempre que o seu povo se regozija no Senhor. Ele quer que os seus sermões sejam sempre cheios de esperança, a ponto de estender a esperança àqueles que estão sem Cristo e não têm esperança. Ele gasta o seu tempo tentando persuadir essas pessoas de que elas são cristãs, quando não são. As suas mensagens de bem-estar podem atrair uma multidão, mas não fazer discípulos para Jesus Cristo.

No entanto, ambos os lados dessa dicotomia contêm alguma verdade, pois a pregação fiel levará as pessoas a sofrer pelos seus pecados, levá-los a uma alegre libertação pela fé em Cristo e a guiá-los em demonstrar gratidão a Deus obedecendo aos Seus mandamentos.

 

Qual destas é a sua pregação?

Ao analisar essas cinco dicotomias, que extremos você considera mais atraentes e mais repulsivos? Cuidado para não permitir que o diabo o leve de um extremo ao outro. Não pense que estas são dicotomias absolutas.

Em vez disso, deixe a Palavra de Deus moldar os seus sermões em pregações que sejam fiéis às Escrituras e relevantes aos seus ouvintes; rica em doutrina e repleta de aplicação prática; extraído de toda parte da Escritura e fiel a toda a Escritura; tão variado em método e estilo quanto as Escrituras, mas sempre apresentado com uma “lógica em chamas” – isto é, a comunicação clara e apaixonada pela verdade de Deus.

Caso contrário, você caiu em um dos mitos das falsas dicotomias, e sua pregação não terá – de uma forma ou de outra – algum elemento vital ou nutriente essencial para a saúde do seu rebanho.

NOTA:

 

[1] Joel R. Beeke (PhD, Westminster Theological Seminary) escreveu centenas de livros. Ele é presidente e professor de teologia sistemática e homilética no Puritan Reformed Theological Seminary, e também serve como pastor da Heritage Reformed Congregation em Grand Rapids, Michigan, bem como editor da Banner of Sovereign Grace Truth, e é o diretor editorial da Reformation Heritage Books, e o presidente do Inheritance Publishers, e vice-president da Dutch Reformed Translation Society.

 

Acessado de https://www.crossway.org/articles/5-myths-about-preaching/ em 12/11/2018.

Traduzido por Ewerton B. Tokashiki

Comments