Instrução por meio dos Catecismos

 

por Archibald Alexander

 

A instrução por meio de catecismos coexiste com a família humana. No início, todo o conhecimento foi comunicado oralmente e transmitido pela tradição. O primeiro homem entregou uma certa quantia de ideias importantes aos seus filhos; e eles novamente para os deles, com diferentes graus de habilidade e fidelidade. O local mais comum de instrução era, sem dúvida, por muito tempo, o círculo doméstico. Aqui, o piedoso patriarca dedicava muito tempo a ensinar aos filhos, que ouviam as lições que aprendera em sua juventude de seus antecessores e aquelas que ele aprendera com sua própria experiência. Essas instruções foram propriamente da natureza da catequese, que pode ser definida como a comunicação familiar do conhecimento oralmente. Enquanto este dever foi fielmente realizado pelos pais, as trevas da ignorância e da idolatria foram impedidas, mas assim que caiu em negligência, o erro e o vício foram a sua consequência. De Abraão, Deus certifica: “Eu sei que ele ordenará a seus filhos e a sua casa depois dele, e eles manterão o caminho do Senhor, para fazer justiça e julgamento (Gn 18.19).” E Deus, por Moisés, insistiu em nenhum dever além disso, ou seja, da instrução doméstica nas verdades da religião. “E as palavras que eu te mando estarão no teu coração, e as ensinarás a tuas crianças, e falarás delas quando estiveres em tua casa, e quando andares pelo caminho, e quando te deitares; quando te levantares. Mais uma vez, “Olha só para ti, e guarda a tua alma com diligência, para que não te esqueças do que os teus olhos têm visto, e não partam do teu coração todos os dias da tua vida; mas ensina a teus filhos e a filhos de teus filhos (Dt 4.9-10; 6.7) ”.

A esses preceitos, o salmista se refere, quando diz: “Ele estabeleceu um testemunho em Jacó e determinou uma lei em Israel, a qual ele ordenou a nossos pais que os fizessem saber a seus filhos: que as gerações vindouras poderiam conhecê-los, até mesmo os filhos que viriam a nascer, que deveriam se levantar e declará-los aos seus filhos (Sl 78.5-6).”

A palavra catequizar, é propriamente grega, derivada do verbo katecheo, que significa “instruir com a voz”, que é encontrada, e ocorre umas seis ou sete vezes no Novo Testamento, mas é comumente traduzida por instruir. Porque, em inglês, a palavra catequizar adquiriu, de alguma forma, uma significação mais estreita que o termo original e transmite a ideia de instrução pela pergunta e resposta; enquanto que a palavra em grego inclui todo tipo de instrução elementar e oral: e seria desejável trazer de volta a palavra ao seu significado original. Isso, no entanto, é de menor importância no momento. As passagens em que a palavra original é encontrada são as seguintes: Lc 1.4; At 18.25; 21.22, 24; Rm 2.18; 1Co 14.19; Gl 4.6.

Parece, portanto, que este modo de instrução é plenamente reconhecido nas Escrituras Sagradas. De fato, se nenhum outro método de inculcar a verdade divina fosse utilizado, do que entregar discursos elaborados e continuados do púlpito, muito pouca informação seria obtida pelos jovens e ignorantes. A pregação supõe e requer algum conhecimento preparatório nos ouvintes, para torná-la útil na comunicação do conhecimento religioso. Princípios elementares devem ser adquiridos de alguma outra forma; e isso foi mais especialmente o caso antes da invenção da impressa, quando os livros eram muito escassos e poucas pessoas conseguiam ler. Parece que os apóstolos e os primeiros mestres da religião cristã estavam muito ocupados dando instrução religiosa, de casa em casa. Sabemos por indubitáveis autoridades que, nos primeiros tempos da igreja primitiva, todos os que se queriam ser admitidos na igreja, entre os pagãos e os filhos dos cristãos, foram cuidadosamente instruídos por meio da catequização; isto é, por um curso de ensino familiar, viva voz. Para cada igreja, uma classe de catecúmenos cooperava e formava uma espécie de escola, na qual os primeiros princípios da religião eram inculcados e certas fórmulas da doutrina cristã, como os primeiros credos, cuidadosamente dedicados à memória, juntamente com porções da Sagrada Escritura. Em alguns lugares, essas escolas de catecúmenos tornaram-se muito famosas e receberam professores do mais alto nível de erudição e piedade; de modo que elas foram frequentadas pelos amantes da literatura sagrada de outros países. Uma célebre instituição desse tipo floresceu por muito tempo em Alexandria, no Egito, na qual Orígenes foi educado, e se tornou o mais ilustre professor. Um grande número dos tratados escritos pelos Pais da Igreja, em diferentes países e em diferentes séculos, foi composto expressamente para a instrução dos catecúmenos. E até que a escuridão se espalhou pela igreja, e seus perversos pastores privaram o povo do acesso das Escrituras, a igreja foi, como deveria ser, como uma grande escola, onde os homens santos de Deus devotaram seu tempo à instrução da nova geração e de convertidos do paganismo.

Na instrução catequética ou elementar, o grande segredo é instruir pouco a pouco e, muitas vezes, repetido. Quem quiser instruir crianças e adultos muito ignorantes, deve evitar o erro de colocar muito conteúdo em suas mentes ao mesmo tempo. É uma prática tão absurda como seria tentar aumentar a atividade, o vigor e o tamanho do corpo, enchendo o estômago com tanta comida quanto se possa suportar. Além disso, as verdades comunicadas pela primeira vez devem ser as mais simples possíveis. Mentes magras não devem ser alimentadas com carne forte, mas com leite puro. Para acomodar a instrução ao estado de avanço do conhecimento e ao grau de desenvolvimento das faculdades mentais, é certamente a parte da educação que é mais difícil e, ao mesmo tempo, a mais importante. É recomendado que os fatos históricos devem formar o começo de um curso de instrução religiosa, primeiro, pelo método apresentado na Bíblia; e em segundo lugar, pela predileção de todas as crianças por essa espécie de conhecimento. Mas, num período muito inicial, a instrução moral e doutrinária do tipo mais importante pode estar conectada com os fatos bíblicos inculcados, e pode sempre ser mais vantajosamente enxertada neles. Admite-se que os catecismos doutrinários não são bem compreendidos pelas crianças. Mas não lhes pode causar mal se exercitarem em memorizar as palavras. Pois é universalmente admitido que, para fortalecer a memória, ela deve ser exercida com frequência e vigor: e não será muito melhor armazená-la com palavras que contenham as verdades mais salutares, em vez daquelas que podem, por alguma associação, provar serem prejudiciais à lembrança?

Às vezes, o fato de ter memorizado um sistema como o Breve Catecismo, é de extrema importância para um indivíduo quando sua sorte é lançada onde ele não tem meios de obter informações corretas; ou no caso de a pessoa perder a visão ou a audição. Certa vez, notamos uma exemplificação disso no caso de um homem de mente forte, que levara uma vida atribulada, sem muita preocupação com livros, e que em seus últimos anos era inteiramente cego. Em conversa sobre os tópicos mais importantes da religião, nos quais ele se interessava profundamente, ele voltava continuamente às respostas do Breve Catecismo, que aprendera quando garoto; e que agora parecia servir de guia para os seus pensamentos em todas as suas meditações. Mas a verdadeira razão pela qual tantas as crianças aprendem o Catecismo sem entender o seu significado, é que não são tomadas medidas para explicar as suas doutrinas e ilustrá-las de uma maneira adaptada à sua capacidade. Os pais são, na maioria das vezes, incapazes de dar tais instruções ou negligentes na realização deste importante dever.

A maioria dos pais precisa de algum auxílio que lhes permitam explicar o significado do Catecismo, e tais recursos foram amplamente providos, e deveriam estar nas mãos de toda família presbiteriana. Temos algumas obras que se encaixam são úteis como recursos, como por exemplo os comentários do Breve Catecismo de Vincent, Flavel, Thompson e outros antigos; e mais recentemente uma excelente exposição do Breve Catecismo pelo Rev. Belfrage da Escócia; e ainda mais recentemente temos um conjunto de Palestras sobre o Breve Catecismo da pena do venerável Dr. Green, em dois volumes, que sinceramente desejamos que sejam encontrados em todas as famílias de nossa igreja, como uma obra de sã teologia, escrita num estilo correto e claro. Enquanto estamos recomendando exposições deste excelente pequeno compêndio, nós não omitiríamos mencionar com alta aprovação, o Catecismo Escriturístico do Rev. Matthew Henry, no qual todas as perguntas são derivadas do Breve Catecismo e as respostas são em tudo as próprias palavras da Escritura. Isso, em nossa opinião, é um trabalho admirável e deve ser reimpresso e amplamente divulgado. Nós também somos motivados a recomendar o Catecismo de Fisher, como um valioso trabalho doutrinário, que é muito usado na Escócia, e por muitos presbiterianos neste país. A Chave para o Catecismo Menor, também aprovamos, e a partir do testemunho daqueles que tentaram, somos levados a crer, pode ser muito útil para ajudar as crianças a entender o significado das palavras e frases usadas no Breve Catecismo de Westminster.

O velho costume presbiteriano de dedicar a noite do Domingo, de modo santo, para o compromisso de catequizar as crianças e os demais membros de toda família, deve ser revivido entre nós onde caiu em desuso. Nenhum outro meio que tenha sido substituído por isso, provavelmente responderá como um bom propósito. Ou, se os cultos públicos na igreja ocuparem todo o tempo nesta noite, reserve uma hora pela manhã, ou imediatamente após o jantar, para que seja dedicada a esta importante atividade. É tão útil para os pais quanto para as crianças, e é o método mais efetivo de induzir jovens a reter bem o Catecismo na memória. E a menos que isso seja feito, a instrução religiosa dos servos e membros da família será negligenciada. Estas instruções familiares devem ser conduzidas com grande seriedade e gentileza. Nesses momentos, a repreensão e o castigo devem ser evitadas; e as orientações para as consciências dos que cometeram falhas devem ser feitas com ternos carinhos.

Esperamos sinceramente que a atenção à instrução doutrinária não seja abandonada, nem diminuída em nossa igreja. Até agora, os presbiterianos foram distintos acima de todas as pessoas do mundo, por um conhecimento correto e completo dos princípios de sua própria igreja. Nenhum povo na terra é tão bem doutrinado nos princípios da religião e na prova das doutrinas que creem, como os escoceses e seus descendentes na Irlanda e nos Estados Unidos da América. Outras pessoas excedem-nas em especulações metafísicas e no conhecimento de outros assuntos; mas, para um sólido conhecimento religioso, elogiam-nos os presbiterianos escoceses dentre todas os grupos religiosos.

Os benefícios da instrução completa nas doutrinas da religião não podem ser calculados. As verdades assim recebidas na mente podem se revelar ineficazes, em alguns casos, para restringir o teimoso pecado; mas mesmo nestes, a força da verdade é frequentemente sentida, e a pessoa nesta situação, é muito mais provável que seja convencida do erro de seus caminhos do que aqueles transgressores cujas mentes são quase totalmente destituídas do conhecimento das doutrinas da religião cristã. Há, além disso, um benefício indescritível da posse de informações doutrinárias corretas, quando a mente fica sob sérias impressões de religião; pois, as verdades que foram inculcadas desde cedo e há muito esquecidas, ressuscitarão na memória e servirão para proteger a mente ansiosa daqueles erros entusiastas em que as pessoas ignorantes tendem a cair quando são profundamente exercitadas sobre o assunto de sua salvação. Que os membros da Igreja Presbiteriana, portanto, não se tornem negligentes naquilo que sempre foi sua mais honrosa distinção: a cuidadosa iniciação de crianças nas doutrinas da fé cristã, contidas nos seus Catecismos; do que nós cremos ser um sólido sistema de teologia teórica e prática, não sendo encontrado em qualquer idioma.

Pode parecer extraordinário, que os teólogos da Assembleia de Westminster tenham preparado dois catecismos, pois isso parece que premeditadamente distrai mais do que edifica a igreja. Mas a história deste assunto é simplesmente isso. O Catecismo Maior foi primeiro composto por uma comissão de três membros: Dr. Tuckney, Dr. Arrowsmith e o Rev. Newcomen. Embora haja boas razões para crermos que o primeiro mencionado era o principal escritor na composição. O trabalho foi altamente aprovado, sendo que a sua estrutura se tornou muito extensa para ser aplicado na memória por crianças, a comissão foi, portanto, direcionada a preparar um catecismo contendo as mesmas verdades, mas de uma forma mais condensada.

O Breve Catecismo é, portanto, uma abreviação do Maior, e, em comparação, ele terá a substância do Maior, expressa com mais brevidade, mas contendo, na maior parte, a própria linguagem do original. Antigamente, era frequente que os jovens de ambos os sexos, em nossa igreja, memorizassem com precisão todo o Catecismo Maior. Se esta prática é continuada em muitas das congregações presbiterianas, sob o cuidado da Assembleia Geral, não temos informação o suficiente que nos permitir dizer. Mas não podemos deixar de crer que os jovens que realizaram este objetivo, adquiriram um tesouro que pode ser mais valioso para eles do que milhares de quilos de prata e ouro. Alguém assim armado com a armadura da verdade divina, não estará sujeito a ser “levado por todo vento de doutrina”, e todo espírito selvagem de entusiasmo que possa estar no exterior no mundo. Quando ele lê livros de teologia, ou ouve sermões do púlpito, ele não só será capaz de entendê-los melhor do que outros, mas levará consigo um teste, pelo qual ele pode julgar a exatidão do que ouve ou lê, e assim estar numa situação para obedecer a exortação do apóstolo: “examine todas as coisas, e retenha o que é bom”.

Não podemos nos contentar em deixar passar a oportunidade de conferir os méritos daquelas denominações de presbiterianos escoceses que não estão em comunhão com a Assembléia Geral, por sua incansável produção e cuidado em dar instruções doutrinárias a seus filhos. A este respeito deve ser reconhecido que eles superam em muito todas virtudes as outras denominações de cristãos em nosso país. Entre eles, temos razões para crer, não se diminuiu a atenção dada aos catecismos; e poucos casos ocorrem dos membros dessas igrejas sendo seduzidos pelas artimanhas traiçoeiras dos propagadores do erro e da infidelidade.

Algumas pessoas podem perguntar: de quem é a responsabilidade de instruir por meio de catecismos? Respondemos que é uma tarefa de todos que são capazes de ensinar corretamente qualquer coisa da verdade divina. Mas, especialmente, é dever dos pais, tutores, professores, mestres das escolas, presbíteros e ministros do evangelho. Todos os que podem ser alistados neste serviço devem ser engajados para ensinar aqueles que possuem menos conhecimento do que eles. E nos sentimos constrangidos a dar o nosso forte testemunho a favor das Escolas Dominicais, em que tantas pessoas são empregadas, tão benéfica para si e para os outros, ao dar instruções da Bíblia. Quando isso é chamado de nova instituição, certamente não significa que qualquer nova instrução seja dada; ou que há algo novo na maneira de comunicar o conhecimento religioso. Toda a novidade consiste no sucesso da tentativa de engajar tamanha multidão de professores em dar lições, e tão grande quantidade de eruditos em aprendê-las. Mas, respeitosamente, perguntamos se os pais, ministros e presbíteros não se tornaram mais negligentes no ensino dos catecismos desde a introdução da Escola Dominical.

A fim de tornar proveitosa a catequese pública das crianças, o pastor do rebanho deve manifestar um profundo e vivo interesse em sua prática. Se ele parecer indiferente e participar das atividades catequéticas de maneira formal ou negligente, não se pode esperar que um grande bem surja desses encontros. Mas se ele se esforçar para organizar todas as circunstâncias de tais exercícios, de modo a torná-los interessantes tanto para mais os velhos como para os mais jovens, se ele propuser temas especiais de pesquisa, se referir a livros apropriados e conversar abertamente com seu povo sobre este tópico, um espírito de investigação será despertado, o conhecimento teológico será perseguido com diligência e entusiasmo, e o uso dos catecismos será um dos meios mais efetivos de difundir informações corretas sobre as doutrinas da fé cristã.

Se as escolas seculares fossem o que deveriam ser, seminários nos quais a doutrina cristã fosse cuidadosamente ensinada, então nossos professores seriam todos catequistas, e as crianças seriam treinadas no conhecimento de Deus e em seu dever. O compromisso de catequizar os jovens parece também ser um dos deveres apropriados do presbiterado, pois certamente esses oficiais não devem se restringir a meras questões de ordem e governo. Como líderes do povo, devem ir adiante deles em instrução religiosa. Bem como seria conveniente, como é comum, que cada igreja local fosse dividida em distritos, que cada presbítero tivesse um pequeno grupo para cuidar, as famílias nas quais ele poderia visitar com frequência e onde pudesse continuamente reunir catequizar os jovens.

Se os presbíteros regentes forem incapazes de realizar um trabalho como este, eles são impróprios para o ofício que ocupam, e podem ser de pouco proveito para a igreja em outros aspectos. Tem-se tornando assunto de queixa comum que os nossos presbíteros regentes não são geralmente sensíveis aos importantes deveres que pertencem ao seu ofício, e não estão bem qualificados para realizá-los. Mas como esse mal pode ser remediado? Respondemos que o remédio eficaz será encontrado numa maior atenção à instrução nas doutrinas da igreja, através do qual muitos irão adquirir um gosto e sede de conhecimento teológico. Pois sempre que isso ocorre, haverá um rápido progresso na aquisição de recurso de sã teologia, como os qualificará para comunicar a necessária instrução aos jovens e ignorantes. Nesse meio tempo, que cada pastor se reúna com os presbíteros de sua igreja, uma vez por semana, com o propósito expresso de discutir questões relacionadas aos deveres que pertencem ao seu ofício, e assim aqueles que estão realmente desejosos de executar o seu ofício de maneira fiel e inteligente, se tornará melhor e mais preparado para o seu importante trabalho a cada ano.

A questão frequentemente levantada é se não seria conveniente ter uma equipe de catequistas, cujo dever seria atender a toda essa preocupação. A ideia é favoravelmente acolhida por alguns na igreja presbiteriana. Mas para nós parece que tal ofício seria pior do que inútil, pois, se o catequista for tirado dentre os membros da igreja, onde ele deve oficiar, e este deve ser o caso se toda igreja é suprida com um ou mais, então por que não ordená-lo ao mesmo tempo um presbítero regente? Certamente o mero nome de catequista não o qualificaria para dar instrução; e se ele é qualificado, ele não seria capaz de ensinar, se chamado pelo nome de presbítero como catequista? E se o ofício é considerado o padrão, sendo que não obtemos presbíteros bem qualificados, como se pode supor que poderíamos encontrar catequistas competentes? A ideia de alguns, no entanto, é que, para desempenhar bem os deveres de catequizar, requer muito mais tempo do que os homens normalmente podem arcar com seus próprios negócios; e, portanto, pessoas adequadas devem ser empregadas com um salário razoável, para dedicar todo o seu tempo a esse importante ramo de instrução.

Tudo isso é muito razoável, e nos leva ao ponto mencionado antes. Em outras palavras, as escolas, entre os cristãos, deveriam ter como objetivo principal educar os filhos no conhecimento dos assuntos divinos, e os próprios catequistas da igreja seriam os professores dessas escolas. Entretanto, os docentes da escola são frequentemente incompetentes para desempenhar essa parte de seu dever. Respondemos que a mesma coisa seria verdade se fossem nomeados como catequistas, ou se outras pessoas fossem procuradas, no estado atual da igreja, existiria a mesma dificuldade em obtê-las como há agora em encontrar professores escolares bem qualificados. A verdade é que a igreja deve se esforçar para treinar os homens para este mesmo ofício, e os pais devem atribuir um valor muito mais alto a ele do que estavam acostumados a fazer. O ofício de presbítero deve se tornar mais respeitável e desejável do que o é atualmente.

É possível, como alguns pensem, que a predomínio das escolas dominicais torne desnecessário que os oficiais da igreja se ocupem com a instrução dos jovens sob sua responsabilidade. Se, de fato, as escolas desta espécie dentro da igreja local estiverem sob a superintendência especial e instrução do pastor e dos presbíteros, não há boa razão para que a instrução catequética não seja dada numa escola dominical como em qualquer outro lugar. Instruir por meio de catecismos é um exercício particularmente adequado para o Dia do Senhor, e se os oficiais de qualquer igreja concordarem em conduzir essa parte da instrução nessas valiosas instituições, certamente seria uma melhoria na estrutura em que são comumente conduzidas.

Mas quando, como é comumente ocorre, essas escolas compõem-se de crianças de diferentes denominações, e estão sob a direção de pessoas que não estão ligadas a nenhuma igreja, a sua existência e prosperidade, ao mesmo tempo que facilitarão muito os trabalhos pastorais, não devem ser considerada um substituto da catequese. Tememos, no entanto, de que alguns pastores, assim como muitos pais, tenham se tornado negligentes nessa parte de seu dever, a partir da ideia equivocada, de que sua tarefa nesta área estão cumpridos. Esse erro deve ser cuidadosamente combatido e enquanto os benefícios da escola dominical são reconhecidos com gratidão, a instrução de nossa juventude nos catecismos de nossa própria igreja deve continuar com crescente diligência.

A antiga estrutura presbiteriana de conduzir a catequese não limitava esse método de instrução às crianças e aos jovens, mas estendia-o a todas as pessoas, exceto aos oficiais da igreja. E, certamente, um dos principais obstáculos ao sucesso da instrução catequética é que ela geralmente termina cedo demais. Quando as crianças chegam aos doze ou catorze anos, elas adotam a opinião de que são grandes e velhas demais para repetir o catecismo. Por causa disso, até a instituição das classes bíblicas, os nossos jovens não receberam instrução apropriada, em muitas congregações, naquele período de suas vidas que, entre todas as outras, é a mais importante para o aperfeiçoamento do conhecimento.

Enquanto somos fortes defensores da instrução por meio de catecismos, somos ao mesmo tempo amigos calorosos com o método de instrução obtido nas aulas bíblicas. Devemos nos alegrar ao ver ambos os métodos de instrução estendidos a todas as idades e classes de homens. E quem está lá que ainda não tem algo para aprender? E o que na terra é tão digno de tempo e esforço quanto o conhecimento da Palavra de Deus e as doutrinas de seu maravilhoso amor e graça? Todo homem que contribui para o aumento desse tipo de aprendizado por seus escritos, deve ser considerado mais um benfeitor público do que aquele que inventa a máquina mais útil. Que todos, então, a quem Deus confiou um talento tão excelente como o de escrever bem em teologia, estejam atentos para que não o escondam num guardanapo ou o enterrem na terra. Porque nunca houve um tempo em que houvesse uma necessidade maior de bons livros e folhetos para neutralizar as inundações de erros que estão sendo emitidas de milhares de fontes, e nunca houve um período em que o efeito da boa escrita fosse tão extenso. Por meio das melhorias na impressão e das facilidades de transporte em nossos dias, é oferecida a oportunidade de circular opiniões por toda a terra. Se os teólogos dormem, não há dúvida de que o inimigo semeará seu joio abundantemente. Que os amigos da verdade, portanto, sejam atentos e sábios, e sempre alertas, aproveitando as oportunidades de iluminar o mundo com a pura doutrina da Palavra de Deus.

 

Sobre o autor:

Archibald Alexander (1772-1851) Dr. Alexander serviu a Igreja Presbiteriana em várias funções (sendo licenciado aos 19 anos, em 1794) antes de ser designado como o primeiro professor no Princeton Seminary, em 1812. Ele influenciou fortemente duas gerações de ministros nos 40 anos que ele ensinou lá. Foi o autor de muitos livros e um colaborador frequente da Princeton Review. Teve vários artigos e folhetos publicados acerca do presbiterianismo em meados do século XIX. “Foi sua rara felicidade manter uma reputação imaculada de superior piedade, sabedoria, benevolência e coerência ao longo de um ministério de quase sessenta anos.”

 

Acessado de http://www.reformedreader.org/ccc/catinstruction.htm

Traduzido por Ewerton B. Tokashiki

 

Comments