Trazendo de volta a Lei no evangelismo

 

Por John J Murray

 

 

Ao considerarmos o estado da igreja hoje, há muito a nos desencorajar. Pensamos na conformidade com o espírito do mundo, na falta de profundidade na experiência cristã, na ausência da religião do coração, na escassez do temor de Deus, no desprezo pelo dia do Senhor, na atitude negligente de adorar e na ausência de seriedade em relação às questões eternas. Alguns procurariam nos consolar dizendo que estamos vivendo “um dia de coisas pequenas” e que as influências do Espírito Santo são em grande parte retiradas. Mas então temos que responder lembrando que a igreja antes da Reforma estava em um estado ainda pior. Caracterizava-se pela indiferença, orgulho, frouxidão e mundanismo, porém surgiu uma mudança que foi radical em seus efeitos éticos.

 

A pregação da Lei nos reformadores e nos puritanos

Embora reconheçamos que a Reforma foi eminentemente um reavivamento, temos que indagar qual instrumento foi usado pelo Espírito Santo naquela época. Sem dúvida foi a aplicação da Lei de Deus, os Dez Mandamentos, à situação existente. Para os reformadores, o ponto de partida do evangelismo eram os “cristãos” nominais que viviam vidas de completa condescendência em relação a seus pecados. No julgamento que eles faziam, a primeira coisa necessária na pregação era que a santidade e a justiça de Deus fossem trazidas sobre a consciência do pecador. E isso só poderia ser feito pregando os Dez Mandamentos. Há verdade na alegação de E.F. Kevan, em sua obra clássica The Grace of Law, que “os puritanos provocaram uma onda de indiferença moral em seus dias pelo uso dos Dez Mandamentos” (London, Baker, 1976, p. 13).

Foi a conversão de Martinho Lutero que ajudou a incendiar a Reforma. Ele enfrentou a questão: “Como poderia um pigmeu ficar diante da divina Majestade? Como poderia um transgressor confrontar a santidade divina? Sua consciência foi despertada. Ele tornou-se consciente do que é um homem perverso em pé coram deo (na presença de Deus). A santidade de Deus estava sempre se intrometendo em sua consciência. Ele relata sua inquietação: “Eu me enfureci com uma consciência selvagem e confusa; mas agi importunamente com Paulo neste ponto (Rm 1.17), com um desejo impulsivo e ardente de saber o que isso poderia significar”. Ele havia sido ensinado a pensar na justiça (de Deus) nesse versículo como o atributo de Deus que condena o pecado. No entanto, quando a luz divina invadiu sua alma, ele viu que Paulo está se referindo à justiça revelada no evangelho e pela qual Deus justifica os pecadores por meio da fé. “Com isso”, diz ele, “senti-me nascido de novo e de ter entrado pelos portões abertos no próprio paraíso”.

A lei desempenhou um papel proeminente no ensino dos reformadores e, mais tarde, no ensino dos puritanos. Seguindo na mesma linha que Lutero, João Calvino pode escrever: “Expondo a justiça de Deus, a lei adverte a cada um de sua própria injustiça, convence e finalmente o condena”. (Institutas, II: vii.6) No entanto, Calvino desenvolveu grandemente o ensino da Escritura sobre a lei. Para Calvino, a lei revela o caráter justo de Deus, restringe o mal na sociedade e funciona como uma regra de vida para guiar os crentes cristãos no caminho da vida que é agradável a Deus. Os Catecismos e Confissões de Fé que surgiram dos Reformadores deram um lugar central aos Dez Mandamentos e tornaram-se proeminentes na pregação e nos escritos puritanos. Foi dado lugar ao “trabalho da Lei” antes do trabalho do Evangelho.

 

A Lei antes do Evangelho nas Escrituras

Qual é a nossa justificativa para pregar a lei? Para muitas pessoas hoje a lei moral é considerada como uma regra arbitrária imposta à criatura. Mas temos que perceber que, como diz Thomas Manton, “o projeto original está no próprio Deus”. Para pregar a Lei nós devemos começar com a natureza e caráter de Deus. “Deus é luz e nele não há treva alguma” (1Jo 1.5). Ele é o único Santo. Ele criou nossos primeiros pais à sua própria imagem. O que foi implantado no homem na criação era nada menos que a Lei moral do Criador. A lei é a transcrição do caráter sagrado de Deus. Nas palavras de Anthony Burgess: “A lei moral implantada em seu coração e a evidente obediência a ela, eram a maior parte da felicidade e santidade de Adão”. Quando o homem vê o caráter de Deus refletido em sua Lei, ele vê quem é Deus e o que Deus requer dele.

Quando nossos primeiros pais transgrediram a lei de Deus, a imagem divina neles foi grandemente desfigurada. Uma ruptura surgiu em seu relacionamento com Deus. O homem foi, com justiça, condenado e seu amor por Deus e por sua lei foram substituídos por inimizade. Deus veio a ser visto como justo juiz. Mas, nessa condição o homem é responsável diante de um Deus santo. Segundo Lutero, ele deve ser encontrado de pé coram deo (é viver a vida inteira na presença de Deus, sob a autoridade de Deus para a glória de Deus). Por causa da lei originalmente escrita no coração, o pecador possui um senso do certo e do errado, colocado por Deus em sua consciência. No entanto essa consciência está morta e endurecida.

A lei de Deus, nas mãos do Espírito Santo, é o despertador da consciência que está destinado a acordar o pecador. O homem natural ouve o evangelho, mas não lhe dá relevância, a menos que saiba de sua real necessidade. É o “voltar para casa” da lei que desperta o senso de necessidade, como Paulo descobriu: “Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei” (Rm 7.7ss). Por que pregar a lei? A resposta da Escritura é que a condenação e a maldição de Deus estão no centro do evangelho. Se o pecador não sabe que Deus está irado com ele ou que é merecedor da Sua ira, ele não pode apreender o significado de Cristo assumindo seu lugar no Calvário. Apenas a lei pode criar no pecador um senso de miséria e necessidade. Somente a lei pode destruir a complacência hipócrita. A convicção da lei cala o pecador que foi despertado para que espere unicamente na misericórdia. A Lei revela o viver um evangelho hipócrita, produz um espírito de sujeição e se propõe a conduzir pecadores a Cristo.

Lutero escreveu: “Quem souber distinguir entre a lei e o evangelho, agradeça a Deus e saiba que é um teólogo” (Comentário sobre Gálatas, reimpressão em 1953, p.122). Como Samuel Bolton colocou: “A lei nos envia ao evangelho para que sejamos justificados, e o evangelho nos envia novamente à lei para inquirir qual é o nosso dever como aqueles que estão justificados … a lei nos envia ao evangelho para nossa justificação, o evangelho nos envia à lei para formatar nosso modo de vida” ( (True Bounds of Christian Freedom, reimpressão 1965, p. 71). A agulha afiada da lei abre caminho para o fio escarlate do evangelho. O homem pecador não pode conseguir a observância dos Dez Mandamentos, mas descobre que a lei foi cumprida pela obediência do Deus-Homem (Cristo) em seu favor. No trabalho de regeneração do Espírito Santo, a lei é escrita no coração do pecador e ele tem o desejo de ser conformado à imagem de Cristo. Então ele se alegra com a lei concordando com os puritanos que “acreditavam que a mais alta espiritualidade deveria ser vista em uma vida que se alegra em ser comandada” (E.F. Kevan, The Grace of Law, p. 249).

 

Um evidente trabalho da lei na experiência cristã

Os reformadores e puritanos acreditavam que havia uma relação entre a natureza do evangelismo e a qualidade da vida cristã subsequente. Na Banner of Truth Ministers’ Conference em 1962, o Rev. Kenneth MacRae falou sobre o tema “A Pregação e o Perigo do Compromisso” (The Banner of Truth, Issue 34, Julho de 1964, p. 12). Ele se referiu à declaração de um antigo ministro na ilha de Arran: “Uma torção no nascimento será com um homem todos os seus dias”. MacRae continuou dizendo que, embora isso seja verdade fisicamente, há também uma aplicação sobre o nascimento espiritual. Os cristãos podem ser permanentemente enfraquecidos pelo ensino equivocado recebido no momento de sua conversão. Alguns podem se contentar pensando que são Cristãos quando não são. Podemos ver a aplicação disso considerando algumas das características da verdadeira conversão que infelizmente faltam hoje.

 

1) Permanente arrependimento e penitência

Tendo visto a santidade de Deus refletida na lei, o cristão é alguém que é pobre de espírito e que chora (Mateus 5:3,4). Mas é aquele que é verdadeiramente abençoado. Ele é agradável a Deus (Sl 51:17). Em certo sentido, seu coração foi quebrado, mas agora está curado. John Newton disse: “Meu grande objetivo em pregar é quebrar o coração duro e sarar o coração partido”. Philip Henry disse: “Vou levar meu arrependimento até às portas do céu”. Em uma de suas festas de chá em Cambridge, alguém perguntou a Charles Simeon: “O que você considera o principal trabalho de regeneração?” Esta foi a resposta de Simeon:

“O primeiro e indispensável sinal é autonegação e aversão. Nada menos do que isso pode ser admitido como uma evidência de mudança real … Eu quero ver mais deste espírito humilde, contrito e quebrantado entre nós. Este é o verdadeiro espírito que pertence aos pecadores autocondenados … Este sentar no pó é mais agradável a Deus. Permita-me estar com um cristão de coração quebrantado e vou preferir sua comunhão. ”(John R.W. Stott, Christ the Controversialist, Leicester, 1970, p. 131)

 

2) O temor de Deus

A acusação dos reformadores contra os ministério que os precederam era que eles não traziam os homens para a presença do verdadeiro Deus. Nossa época perdeu o controle sobre aquele Ser transcendente que mantém todos os homens responsáveis ​​perante Ele e, consequentemente, perdemos nossa identidade como portadores da imagem do Deus vivo. Por temor de Deus, os reformadores entendiam aquela reverência por Deus advinda de uma consciência de Sua majestade e glória. “O temor de Deus”, diz o professor John Murray, “é a alma da piedade”. Ele continua dizendo que o capítulo magistral sobre o assunto em Principles of Conduct: “Se conhecermos a Deus, devemos conhecê-lo na incomparável glória de sua majestade transcendente e a única postura apropriada para nós é prostrarmo-nos perante ele com admiração e reverência … Reduzir essa ênfase e ter qualquer outra é a prova de que a fé da Bíblia não é nossa ‘. (John Murray, Principies of Conduct , Londres, 1957, pp. 229-242).

 

3) Santidade da vida

O evangelismo moderno tem pressionado para que os pecadores se convertam, mas não conseguiu apresentar as implicações de um compromisso salvífico com Cristo. Este moderno evangelismo defende erradamente que a submissão ao senhorio de Cristo e a santidade da vida pode ser algo acrescentado mais tarde. Os reformadores e puritanos ensinaram que onde não há renúncia ao mundo e nem autonegação de si mesmo, aí não há fé em Cristo, e que um cristão que não vive em retidão não é cristão, de nenhuma forma. A ordem de Deus é: “Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pe 1.16). Na regeneração somos conformados à santa lei de Deus. Não podemos ter justificação sem santificação. O Dr. John Duncan apresentou isso muito bem: “Essa justificação que precede a santificação é mais um dos ultraísmos* do Protestantismo moderno. Eu não posso acatar essa doutrina. A fé precede a justificação, mas a regeneração causalmente precede a fé. Portanto, é muito importante observar inicialmente que tudo flui de Cristo e da nossa união a ele. (Cavaleiro W, Colloquia Peripatetica, Edimburgo, 1879, p. 84)

 

Um chamado para recuperar a pregação da lei

John Newton observou que a maioria dos erros na vida cristã está enraizada em pensamentos errôneos sobre a lei de Deus: “A ignorância da natureza e o projeto da lei estão no âmago da maioria dos erros religiosos” (Works of John Newton, vol. 1, p. 339). Esse ensino errôneo permeou a igreja confessional de hoje. Sentimos que estamos em uma situação semelhante à descrita pelo Dr. John Duncan: “Há pregação do Evangelho suficiente para curar um mundo de almas doentes pelo pecado, mas onde está a pregação para ganhar as almas doentes pelo pecado?”

Em um discurso para os ex-alunos do Seminário Teológico de Westminster em 1952 sobre “Algumas Ênfases Necessárias na Pregação”, o Professor John Murray declarou: “E o que eu observei como visivelmente minimalista na pregação das Igrejas evangélicas, e até nas Reformadas, é a proclamação das demandas e sanções da Lei de Deus. Para ser franco, é a falta da enunciação com poder, seriedade e paixão das exigências e terrores da lei de Deus.” (Collected Writings, vol. 1, p. 143) Foi a preocupação com essa carência que por fim promoveu a primeira Banner of Truth Trust Ministers’ Conference, em Leicester, Inglaterra, em 1962 (ver John J Murray, Catch the Vision, 2007, p. 141).

Ao vermos o estado da igreja hoje, podemos concordar com a convicção expressa pelo Dr. J Gresham Machen: “Uma nova e mais poderosa proclamação dessa lei talvez seja a necessidade mais premente do momento; os homens teriam pouca dificuldade com o evangelho se tivessem apenas aprendido a lição da lei. Portanto, uma visão baixa da lei sempre traz legalismo na religião; uma alta visão da lei torna o homem um pesquisador depois da graça. Ore a Deus para que a alta visão prevaleça novamente.” (What is Faith? 1925, p. 141)

 

Rev John J Murray – Ministro presbiteriano (aposentado) da Free Church of Scotland (Continuing)

Traduzido por Manoel Canuto

Revisado por Ewerton B. Tokashiki

Comments