Clipboard02

José Carlos Piacente Júnior – Capelão da Universidade Presbiteriana Mackenzie

“O que me recordo do JMC? Minhas memórias estão associadas aos mestres que foram capazes de despertar em mim amor irrestrito e inalienável a Palavra do Deus revelado nas Escrituras. Nesse afã, ao lado do aclamado educador brasileiro, Paulo Freire, posso afirmar: Que saudade de meus professores! Esta frase é uma referência ao que Freire relatou no texto “Que saudade da minha professorinha”, ao narrar, brevemente, as lembranças marcantes com sua primeira professora, Eunice. A amizade sincera e pautada no amor fraternal resistiu até mesmo ao seu exílio, durante o período da ditadura militar. Freire, pois, testemunhou que a jovem Eunice despertou nele o amor pela linguagem brasileira, de um modo inimaginável para uma criança de 6 anos de idade. As experiências de Freire são únicas e particulares, mas não estão dissociadas da realidade do ser humano, das experiências de todos nós. Quem não se lembra com saudade dos professores amados? Com efeito, recordo-me com carinho e saudade de que os mestres do JMC descortinaram para mim o valor inestimável da linguagem e da comunicação do Deus que se revela por meio das Escrituras Sagradas. Deram-me a capacidade de perceber que o conhecimento de Deus é tudo que precisamos para a salvação, bem como para interpretar e compreender toda a existência humana. E, ainda, como o conhecimento de Deus, revelado nas Escrituras, é adequado para reger as demais áreas de nossa existência, com o qual construímos as práticas ministeriais e pessoais que o glorificam de fato. Ao mesmo tempo, como educadores dedicados, pude aprender com meus mestres os caminhos da excelência acadêmica. Hoje, mantenho viva em minha mente a relevância do conhecimento de Deus em sua associação indelével com a obra salvadora de Jesus. Enfim, esta é uma verdade sempre aplicável a quaisquer contextos da igreja de Cristo, a saber: “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”. João 17. 3″